Secretaria da Cultura
Jornada de Regência Coral do Conservatório de Tatuí
Institucional 6
Institucional 5
Institucional 4
Institucional 3
Institucional 2
Banner Institucional 1
Conservatório Dramático e Musical de Tatuí

Prática de Conjunto

A Prática de Conjunto é uma disciplina obrigatória em todos os cursos do Conservatório de Tatuí. Com duração de seis semestres (com exceção dos cursos de violino, viola, violoncelo e contrabaixo nos quais são previstos 14 semestres de prática de conjunto), a atividade tem carga horária mínima de 2 horas/aulas por semana (do 1º ao 4º semestre) e de 4 horas/aulas por semana a partir do 5º semestre.
A área de Prática de Conjunto se apresenta como parte importante na formação do estudante de música, seja no aspecto social ou disciplinar, pois tem como objetivos promover a interação dos estudantes na realização musical coletiva e cultivar-lhe a consciência das implicações éticas e hierárquicas no que diz respeito à realização musical em grupo, além de propiciar aos alunos a prática saudável e proveitosa dos instrumentos de suas preferências. Esta área abrange grupos de estudantes dos segmentos de sopros, cordas, percussão, canto e performance histórica em ambos os gêneros – clássico e popular.
As prática de conjunto é assegurada por meio dos Grupos Pedagógicos do Conservatório de Tatuí.Tais grupos são constituídos por alunos organizados e orientados por professores com objetivo de fornecer uma parte importante da formação musical, que é a interpretação de sua arte veiculada e manifestada em conjunto.

 

GRUPOS PEDAGÓGICOS SOB COORDENAÇÃO DA ÁREA DE PRÁTICA DE CONJUNTO
Grupo Pedagógico Professor Responsável
Bandas Sinfônicas Infantil e Infantojuvenil do Conservatório de Tatuí Marco Antônio Almeida Júnior
Banda Sinfônica Jovem do Conservatório de Tatuí José Antonio Pereira
Big Band Jovem do Conservatório de Tatuí Joseval Paes
Camerata Infanto-Juvenil de Violões
Camerata Juvenil de Violões
Camerata Jovem de Violões
Márcia Braga
Conjunto de Metais do Conservatório de Tatuí Edmilson Baía
Coral Infantil do Conservatório de Tatuí Miriam Cândido
Coro de Câmara
Coro Jovem do Conservatório de Tatuí
Cibele Sabioni
Ensemble de Performance Histórica do Conservatório de Tatuí João Guilherme Figueiredo
Grupo de Choro Jovem do Conservatório de Tatuí Altino Toledo
Grupo de Percussão Jovem do Conservatório de Tatuí Agnaldo Silva
Grupo de Saxofones do Conservatório de Tatuí Marcos Pedroso
Grupo de Performance do Conservatório de Tatuí Dalila Ribeiro e Eliana Wagner
Grupo de Performance Histórica Jovem do Conservatório de Tatuí Débora Ribeiro
Jazz Combo Jovem do Conservatório de Tatuí  
Orquestras de Cordas Infantil e
Infantojuvenil do Conservatório de Tatuí
Eduardo Augusto Silva
e José Daniel Lazala Silva (assistente)
Orquestra de Cordas Juvenil do Conservatório de Tatuí Dario Sotelo
Orquestra Sinfônica Jovem do Conservatório de Tatuí Juliano de Arruda Campos

Max Eduardo Ferreira

Max Eduardo Ferreira

Coordenador

Formou-se no curso regular e no aperfeiçoamento em clarineta no Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos” de Tatuí (1996 e 1998), com o professor José Teixeira Barbosa. Estudou com Silvana Azevedo, irmã e discípula de Naylor Azevedo (Proveta), Edgar Poças, Neide Rodrigues Gomes, Jaime Glessa Gonçalves, Maria Zei Bliaggioni, Márcia Visconti, além dos maestros José Roberto Branco, Carlos Fiorini e Eduardo Ostergren. Concluiu o curso de graduação em clarineta na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas) com os professores Nivaldo Orsi e Roberto Pires em 2003. Classificou-se em primeiro lugar no processo seletivo de admissão para a Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí (Orquestra de Sopros Brasileira) com a qual gravou seis CDs e um DVD. Participou da gravação do CD “Brasil Musical” com a Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí (Sinfônica Paulista) e do CD comemorativo dos 90 anos da Weril. Como professor de clarineta atuou no projeto “Pró-Bandas”, no “Festival de Inverno de Campos do Jordão” realizados no núcleo Tatuí, em três edições do Curso de Férias de Tatuí e nos painéis Funarte de Bandas de Música. Atuou como solista frente à Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí (Orquestra de Sopros Brasileira) sob regência do maestro húngaro Laszlo Marosi, além de diversos outros grupos executando peças de arranjo e composição próprios. Foi um dos organizadores do I Encontro Internacional de Madeiras de Orquestra do Conservatório de Tatuí em 2007 e no mesmo ano escreveu e editou o “Guia Técnico do Clarinetista”. Atualmente também é professor de música da Prefeitura de Leme-SP, regente da Corporação Musical de Leme e spalla da Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí (Orquestra de Sopros Brasileira).

Agnaldo Silva

Agnaldo Silva

Grupos de Percussão

Pós-graduado em educação musical pela Faculdade Paulista de Artes - São Paulo e formado no curso de Percussão Sinfônica do Conservatório de Tatuí pelos professores Javier Calvino e Eduardo Gianesella. Desenvolve trabalhos tanto na área de música erudita quanto na área popular. Integrou a Orquestra Sinfônica Paulista (atual Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí) e Big Band “Prata da Casa” durante dez anos. Realizou turnês pelo país com Wagner Tiso (piano) e Victor Biglione (violão) e concertos ao lado de grandes nomes do cenário musical como: Leila Pinheiro, Leny Andrade, Alceu Valença, Elba Ramalho, Francis Hime, Tatjana Vassihjeva (Violoncelo), Ed Sarath (EUA-Trumpete), Arnaldo Cohen (Piano), Altamiro Carrilho (Flauta), Roberto Sion (Saxofone), Neils Neeghard (Dinamarca-Trombone), Gerald Robbins (EUA-Piano), Nelson Ayres (Piano), Rafael dos Santos (Piano) entre outros. Gravou 12 CDs com diversas formações de grupos do Conservatório de Tatuí. Participou de masterclasses de percussão com John Beck (EUA - tímpanos), Bill Molenhof (EUA - vibrafone), Howard Stevens (EUA - marimba), Ben Toth (EUA - percussão), Ney Rosauro (Brasil - percussão), Carlos Stasi (Brasil/EUA - percussão), Eduardo Leandro (Brasil/Holanda - percussão), Ari Colares (Brasil - percussão), Carlos Tarcha (Brasil/Alemanha - marimba), John Boudler (Brasil/EUA - percussão), Vic Firth (EUA - tímpanos), David Friedman (EUA - vibrafone) entre outros. Em 2016 representou o Conservatório de Tatuí na The Midwest Clinic International Band Orchestra And Music Conference (Conferência Internacional para Bandas e Orquestras) em Chicago, nos Estados Unidos. Desenvolve trabalhos de percussão de vanguarda como solista e camerista interagindo com diversas áreas artísticas. Compõe o "Duo Gênese" (Piano e Percussão) com a pianista Cristiane Bloes. Também juntamente com Cristiane Bloes, coordenou em 2009 e 2010 o Grupo de Música Contemporânea do Conservatório de Tatuí (grupo pedagógico que propõe novas formas de abordagem e escrita musical). Integrou o corpo docente do projeto Pró-Bandas (Projeto de apoio às Bandas) em todas as edições (1997 a 2007), ministrando workshops de percussão por diversas cidades do estado de São Paulo. Estreou no Brasil a convite do maestro Dario Sotelo, a obra "Canticle of the Sun" do renomado compositor Martin Ellerby, escrita para percussão solo e Banda Sinfônica. Em 2010 criou e iniciou a coordenação do Grupo de Percussão Jovem do Conservatório de Tatuí (grupo pedagógico) com o qual participou no mesmo ano do II Prêmio Incentivo de Música de Câmara, obtendo quatro premiações, dentre as quais se destaca a de melhor obra original. O prêmio foi obtido com a obra "Tic-Tac" escrita para grupo de percussão, de sua autoria. Atuou em todos os Encontros Internacionais de Percussão do Conservatório de Tatuí sendo co-coordenador do 5º Encontro em 2011 e como solista convidado no 6º Encontro em 2014. É professor da área de Percussão Sinfônica do Conservatório de Tatuí, integrante do GPC (Grupo Percussionista de Câmara de Tatuí), coordenador do Grupo de Percussão Jovem do Conservatório de Tatuí, tímpanista e chefe de naipe da Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí.

Altino Toledo

Altino Toledo

Grupo de Choro Jovem do Conservatório de Tatuí

Bandolinista, fundou, com Alexandre Bauab Jr., o Grupo de Choro do Conservatório de Tatuí (Grupo de Choro Quebrando Galho). Atualmente, é graduando em Educação Musical na USFCar (Universidade Federal de São Carlos). Introduziu o ensino do bandolim no Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos” de Tatuí, dentro do núcleo de choro, instituição na qual é professor de bandolim e prática de choro desde 1999. Como professor, ministrou aulas em festivais como o 25º Festival de Londrina (aulas de bandolim e prática de choro); em três edições do Festival de Ourinhos (aulas de prática de choro); e em workshops e concertos didáticos nas cidades de Jaú, Bauru, Ribeirão Preto, Santos e em Tatuí. Participou de mais de cem apresentações públicas em mais de cinqüenta diferentes cidades do Estado de São Paulo, dentre elas destacam-se as realizadas com músicos reconhecidos nacional e internacionalmente como Naylor “Proveta”, Altamiro Carrilho e Humberto Araújo. Com o Grupo de Choro Quebrando Galho gravou CD homônimo. Ainda no campo das gravações, participou como bandolinista do CD “Soleil” da cantora Clementine (lançado pela Sony Music), do CD “Horn Brasil” de Adalto Soares e do CD “Choro Canção” do grupo Casa de Marimbondo. Como bandolinista do Grupo de Choro do Conservatório de Tatuí (Quebrando Galho) gravou programas de televisão como o Sinfonia Fina (série exibida pela TV Cultura em 2007), Jazz&Cia. (TV Cultura) e Instrumental Sesc Brasil (STV). Foi premiado por duas vezes (segundo e terceiro lugares) no Prêmio Nabor Pires de Camargo. Apresentou-se em algumas das principais casas de eventos e teatros do país, como o “Cláudio Santoro” (Campos do Jordão) e Memorial da América Latina (São Paulo). Com a Orquestra Violões & Cia. e com quarteto de choro realizou inúmeras apresentações nas cidades de Manhein e Heidelberg (Alemanha), em 2008.

Cibele Sabioni

Cibele Sabioni

Regência Coral

Mestre em Ensino das Práticas Musicais pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro UNIRIO – PROEMUS, sob a orientação do Prof. Dr. Eduardo Lakschevitz.  Professora de Regência Coral no Conservatório Dramático e Musical de Tatuí “Dr. Carlos de Campos”. Regente do Coro Sinfônico Jovem e do Coro de Câmara da mesma instituição, onde também atua como professora na área de Canto Coral. Regente convidada pela UFMA –Universidade Federal do Maranhão- para fomentar e implantar o Coral da UFMA-Pinheiro em 2016. Pesquisadora selecionada para a comunicação do artigo “Em busca do perfil do regente de coro iniciante no Brasil” no IV SIMPOM UNIRIO em 2016. Formada em Regência Instrumental pelo Conservatório de Tatuí. Bacharel em instrumento, piano, na Universidade de Bauru com especialização em Havana – Cuba. Regente coral, estabeleceu vários grupos, trabalhando intensamente o repertório brasileiro. Regente convidada para desenvolver clínica vocal no Festival Internacional de Teatro de Curitiba; Conservatório Nacional de Assunción-Paraguay e Universidade Nacional de Vila Maria – Argentina “Gêneros Vocais Brasileiros”. Em 2005 foi cantora solista convidada com o Quarteto Fala Brasileira pela Orquestra de Sopros Brasileira, para uma turnê por cinco cidades do estado de São Paulo, com repertório de samba especialmente arranjado para estes concertos. Cantora solista convidada pela “Orquestra de Vientos” de Santa Rosa – Argentina; Banda Sinfônica Municipal de Bilbao – Espanha; cantando repertório brasileiro. Atuou como cantora do Quarteto Fala Brasileira, grupo convidado para representar o Brasil no Festival de Música Latina na Berklee College em Boston – EUA. Estreou o espetáculo “Contraverso” atuando como cantora. O  projeto  selecionado pela POIESIS para a 1ª Mostra de Qualificação em Dança no ano de 2015, reúne ballet contemporâneo e música a partir de releituras das canções de Vinicius de Morais construídas para os movimentos do ballet contemporâneo. Maestrina convidada para realizar um concerto com a Banda Sinfônica Sopra Mulheres durante o I Encontro Latino Americano de Compositores, Arranjadores e Regentes de Banda Sinfônica no Memorial da América Latina –São Paulo (2007). Em 2008 atuou como regente convidada da I Conferência Ibero Americana de Directores, Arregladores y compositores de Banda sinfônica y Emsembles en Tenerife -Espanha. Pós-graduada em Música de Câmara pela UNINTER, na classe do professor David Chew. Maestrina do Coral da Cidade de Tatui “Prof. José dos Santos” nos anos de 2009 a 2015, realizando a gravação do CD “Coral da Cidade canta Bimbo Azevedo” e a direção artística e musical dos espetáculos, “O cordel do Lampião”, “Romaria”, “Cantata de Natal” e “O Mar Amou Caymmi”.

Dalila Ribeiro

Dalila Ribeiro

Montagem- Curso de Maquiagem- Grupo De Performance – Jogos Teatrais para Músicos

Atriz, diretora, maquiadora e professora do Departamento de Artes Cênicas do Conservatório de Tatuí. Formada em Artes Plásticas e pós-graduada em Psicopedagogia pela ASSETA – Faculdades de Tatuí/SP. Iniciou seus estudos de teatro em 1991 no Conservatório de Tatuí por meio do curso de formação de atores, ministrado por Antonio Mendes e Carlos Ribeiro. Participou de cursos com vários profissionais de teatro, dentre os quais se destacam Augusto Boal, Roberto Gil Camargo, Edu Silva, Semi Lutfi, Alberto Gaus, Robert Francis Mc”Crea e Zé Renato. Dos trabalhos que realizou como atriz destacam-se “Paixão Segundo Nelson Rodrigues” (1992) “Édipo Rei” (1995/1996), “Santa Joaninha” (1998) e “O Desconhecido” (1999/2000), Rosa de Cabriúna (2011). Foi premiada como atriz coadjuvante nas peças “O Desconhecido”, “Santa Joaninha” e “Édipo Rei” e como melhor atriz “Rosa de Cabriúna”. Entre os trabalhos como diretora destacam-se: “A Gata Borralheira” (1998), “Dois Corações e Quatro Segredos” (2015), “O Menino que Virou História” (2016) Atualmente integra a equipe técnica/artística da Área de Artes Cênicas do Conservatório de Tatuí, é a professora responsável pela Oficina de Maquiagem do departamento de Artes Cênicas,  professora de prática teatral e montagem no curso de Teatro Juvenil, professora e criadora da disciplina Jogos Teatrais para Músicos e professora do Grupo de Performance da área de Música de Câmara, sob a coordenação de Miriam Braga.

Daniel Lazala

Orquestras de Cordas Infantil e Infanto-Juvenil

Nascido em Bogotá (Colômbia), é educador musical e pianista formado no Conservatório de Tatuí, sob orientação da professora Míriam Braga. Atua como pianista correpetidor na área de cordas do Conservatório de Tatuí desde 1995. Tem desenvolvido trabalho de pesquisa de repertório de música de câmara e orquestra de cordas, especialmente para as Orquestras Infantil e Infanto-Juvenil do Conservatório de Tatuí. É especializado no Método Kodaly pela Unesp e Sociedade Kodaly do Brasil. Além de atuar como regente assistente e pianista correpetidor nas Orquestras Infantil e Infanto-Juvenil do Conservatório de Tatuí, é tutor virtual do curso de Educação Musical da Universidade Federal de São Carlos. É, ainda, professor de teoria e piano da Oficina de Artes da Prefeitura de Boituva.

Dario Sotelo

Dario Sotelo

Camerata Juvenil do Conservatório de Tatuí

Formado em piano, violino e viola, é mestre em regência orquestral pela City University (Londres), como aluno de Ezra Rachlin, um dos discípulos de Fritz Reiner. Foi coordenador da área de cordas do Conservatório de Tatuí, reestruturando os programas dos cursos dos instrumentos de cordas, integrando-o às atividades de música de câmara e orquestra, em níveis equiparados. Criou e estabeleceu orquestras jovens em Tatuí, Belo Horizonte e São Paulo. Por meio do Conservatório de Tatuí, realizou várias encomendas e estreias mundiais a compositores brasileiros, como a ópera “A Peste e o Intrigante”, de Mario Ficarelli; “Cantata de Natal”, de Ernest Mahler; e “Sonho de Uma Noite de Verão”, de Edson Beltrami. Após dois anos em Londres (1991-1992), é convidado a assumir a regência da atual Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí e a estabelecer o curso de regência instrumental do Conservatório de Tatuí. De 1998 a 2003, atuou como regente da Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí. Como palestrante e regente convidado participou de dezenas de atividades internacionais, entre elas o Festival de Música Brasileira em Wattwill (Suíça), gravação para a Rádio Estatal Húngara e turnês pelos Estados Unidos e Espanha. Atuou, ainda, como regente e palestrante na Convenção Estadual de Minnesota em Mineápolis, na Universidade de Duluth e na Berklee College of Music, em Boston (EUA). Também como regente atua em vários outros lugares do mundo como Hungria, Austrália, Alemanha, Inglaterra, Espanha, África do Sul, Colombia, Uruguai, Costa Rica, Paraguai, Argentina e Taiwan. No Brasil, atua em cidades como Curitiba, São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Blumenau, Caxias do Sul e Porto Alegre, em Festivais como Campos do Jordão e São João Del Rei, Oficina de Música de Curitiba, Festival Sesc-Pelotas e Festival de Inverno de Divinópolis (MG). Estabeleceu a Conferência Ibero-Americana de Compositores, Arranjadores e Regentes de Banda Sinfônica em Tatuí e foi o coordenador geral e artístico nos anos de 2002 e 2004 do IV Congreso Ibero-Americano de Compositores, Arregladores y Directores de Banda Sinfônica e Ensembles, coordenando o evento na cidade de Tenerife (Espanha) em 2008. Desde 1995 coordenou a gravação de nove CDs com a Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí e a Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí, com obras de diversos autores brasileiros. O mais recente foi gravado em 2012, comemorando os 20 anos de existência da Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí. Frente ao grupo, até o momento, realizou 122 estreias mundiais de obras de compositores brasileiros e 98 estreias brasileiras de compositores internacionais. Escreveu vários espetáculos para crianças e jovens, entre eles: “Villa-Lobos encontra Guarnieri”, “A Vinda da Família Real ao Brasil”, “MomoPrecoce”, “Sonho de Criança” e “Stravisnky e seu ballet Petrushka”. É regente da Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí, Orquestra de Cordas Juvenil do Conservatório de Tatuí e Banda Sinfônica da Escola de Municipal de Música de São Paulo. Atua também como professor de regência instrumental no Conservatório de Tatuí.

Débora Ribeiro

Débora Ribeiro

Grupo Jovem de Performance Histórica do Conservatório de Tatuí

Tem formação musical em Flauta Doce pelo Conservatório de Tatuí, pós-graduação - Lato Sensu em Aperfeiçoamento sobre o “Método Kodály” pelo Instituto de Artes da Unesp (Universidade Estadual Paulista) e Curso de Extensão Universitária da Universidade de Verão “Dunakanyar” (Esztergom - Hungria) sobre o “Método Kodály”, promovido pela Dunakanyar Müvèszeti Nyári Egyetem. Participou de cursos, festivais e oficinas de música, como I e V “Curso Internacional sobre o Método Kodály”, ministrado pela professora Maria Ördög (Hungria); Curso de “Comunicação, Educação e Arte na Cultura Infanto-Juvenil”, ECA-USP; “Oficina de Música II”, Curso de “Música Antiga” e “Dança Antiga”, ministrado pelo professor Helder Parente em Curitiba/PR; IV “Festival de Música de Londrina”, Curso de “Flauta Doce”, ministrado pelo professor Helder Parente, Curso de “Prática de Música Antiga”, ministrado pelos professores Roberto de Regina e Eunice Brandão. Participou também de cursos ministrados pelos professores José Eduardo Gramani, H. J. Koellreutter e Theophil Maier. Atualmente é professora e coordenadora da área de performance histórica no Conservatório de Tatuí, além de lecionar Flauta Doce na Escola Municipal Livre de Música de Itapetininga.

Edmilson Baia de Oliveira

Edmilson Baia de Oliveira

Grupo de Metais

Iniciou seus estudos de trombone no Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos” de Tatuí no ano de 1995 com o professor Irineu D. Gregório, tendo estudando, ainda, em 1998 com o professor Gilberto Gagliardi, em 2000 com o professor Marcelo de Jesus da Silva, em 2002 com o professor Darrin C. Milling e no ano de 2003, quando concluiu o curso de trombone, com o professor Alan de Lima Palma. Participou de vários festivais e cursos de renome, tendo participado de workshops e masterclasses com Joseph Alesi, Roger Rocco, Canadian Brass, Marvim Stam, Ed Sarath, Neels Neegard, Martin Winigier, Hudson Nogueira, Nahor Gomes, Dale Underwood, Daniel Barry e Fred Mills. Realizou importantes apresentações sob a regência de conceituados nomes na área musical internacional entre eles Lazlo Marosi, Arnold Gabriel, Virgínia Allen e Richard Markson. Participou da gravação de CDs com a Big Band “Prata da Casa” e Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí (Orquestra de Sopros Brasileira). Foi professor de trombone nas oficinas do Pró Bandas nos anos de 2000 a 2007 e do projeto Bandas da Funarte em 2007. Participou como primeiro trombone da Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí (Orquestra Sinfônica Paulista) no período de 2000 a 2008. Atualmente trabalha como chefe de naipe e primeiro trombone na Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí e também atua como professor de trombone e regente titular do Conjunto de Metais do Conservatório de Tatuí.

Eduardo Augusto

Eduardo Augusto

Orquestras de Cordas Infantil e Infanto-Juvenil

Bacharel em violino pela Unesp, onde recebeu orientação do professor Luiz Amato. É formado em violino no Conservatório Dramático e Musical "Dr. Carlos de Campos" de Tatuí (SP), onde iniciou seus estudos aos 11 anos de idade e recebeu orientação dos professores Wanderley Pizzigatti e Pedro Dela Rolle. Recebeu também orientação dos professores Paulo Bosísio, Elisa Fukuda e Betina Stegmann. Participou do 1° e 3° Encontro Internacional de Cordas no Conservatório de Tatuí e do 14° e 15° Festival de Juiz de Fora na classe do prof. Paulo Bosísio. Participou de masterclass com os professores Regis Pesquier (França), Emmanuele Baldini (Itália), Cláudio Cruz (Brasil), Ole Bohn (Nuruega), Daniel Guedes (Brasil) e David Pokorny (República Checa). Foi premiado no Concurso Jovem Solista 2007 de Guarulhos, onde participou como solista na Orquestra Sinfônica Jovem de Guarulhos, onde também atuou como spalla em 2007 e 2008. Integrou a Orquestra Sinfônica de Sorocaba (2003-2006), Orquestra Sinfônica Paulista (2004-2005), convidado da Orquestra Experimental de Repertório (2006) e Orquestra Sinfônica Jovem de Guarulhos (2006-2008). Como músico convidado, participou de diversas orquestras como Orquestra de Câmara da USP, Unesp, Unicamp, Orquestra Sinfônica de São José dos Campos e Orquestra Sinfônica de Rio Claro. Foi professor de violino no Projeto Música e Cidadania em 2008 no município de Atibaia; no Projeto A Corda Toda - curso de extensão em violino da UNESP; professor de violino e conjunto de cordas no Guri Santa Marcelina; e professor de violino na Assatemec (Associação dos Amigos do Teatro e Escola de Música Eleazar de Carvalho) em Itu. Atualmente orienta as Orquestras de Cordas Infantil e Infanto-Juvenil do Conservatório de Tatuí. Também é violinista da Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí, onde também ocupa o cargo de concertino. É, ainda, violinista da Orquestra Filarmônica de São Carlos e 1° violino do SP3 Strings Quartet, além de ocupar o cargo de diretor artístico da Associação de Músicos, Luthiers e Atores de Tatuí.

Eliana Wagner

Eliana Wagner

Performance de palco e grupos de câmara

Formada em piano e canto pelo Conservatório Dramático e Musical de Tatuí "Dr. Carlos de Campos" de Tatuí e em licenciatura plena em música pela Faculdade Santa Marcelina (FASM). Participou de cursos de interpretação pianística com Magdalena Tagliaferro, Arnaldo Cohen, Olga Kiun; de música de câmara com Maria José Carrasqueira, Lucia Barrenechea, Gerald Robins; e musicoterapia com Rolando Benenzon. Participou da gravação de dois CDs com Dorothea Kerr e atualmente está cursando especialização em música de câmara. Faz parte do corpo docente do Conservatório de Tatuí nas áreas de piano, música de câmara e performance de palco.

João Guilherme de Figueiredo

João Guilherme de Figueiredo

Ensemble de Performance Histórica do Conservatório de Tatuí

Nascido em Belém do Pará em 1969, iniciou seus estudos musicais em Petrópolis/RJ, primeiramente no violino e depois no violoncelo. Recebeu suas primeiras aulas da professora Atelisa de Salles. Em 1990 ingressou no Conservatório Real de Haia na classe do violoncelista e gambista Jaap ter Linden, especializando-se em violoncelo barroco e seu repertório. Participou de várias orquestras no Brasil e no exterior, dentre as quais a Orquestra Barroca do Conservatório Real de Haia, De Nederlands Cantorij, Collegium Musicum Nederlandeses, Orquestra Pró-Música do Rio de Janeiro e Orquestra Pró-Música de Juiz de Fora. Tocou em vários países da Europa sob direção de nomes como Sigiswald Kuijken e Ton Koopman. É atualmente professor de violoncelo barroco e música de câmara do Festival de Música Colonial e Música Antiga de Juiz de Fora e do Centro de Estudos Musicais Tom Jobim em São Paulo e também professor de violoncelo barroco e viola da gamba do Conservatório de Tatuí.

José Antonio Pereira

José Antonio Pereira

Banda Sinfônica Jovem

É mestre em música pelo Instituto de Artes da Unesp (Universidade Estadual Paulista), cujo trabalho acadêmico foi premiado pela Academia Brasileira de Música. Foi aprovado em concurso para professor de práticas instrumentais na Unesp. Foi coordenador musical do projeto da Faculdade de Música na Asseta de Tatuí, aprovado pelo Ministério da Educação em Brasília. Fez cursos de pós–graduação - latu senso - em metodologia de ensino e psico-pedagogia, tendo sido, posteriormente, professor de métodos e técnicas de pesquisa em cursos de pós-graduação. É maestro do Conservatório de Tatuí desde 1975 e da Orquestra de Botucatu desde 1986. Entre seus inúmeros prêmios e apresentações que se destacam estão o Prêmio da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) e a apresentação para o Rei da Suécia em 1985. É artista eclético, atuando nas mais diferentes áreas da música e literatura. Atualmente, é regente da Banda Sinfônica Jovem do Conservatório de Tatuí e professor de música de câmara e prática de conjunto da mesma instituição.

Joseval Paes

Joseval Paes

Guitarra e Baixo Elétrico

Natural de São Paulo, iniciou seus estudos musicais aos 10 anos de idade pelas mãos de seu pai, José Paes (Pernambuco), tendo o violão como seu primeiro instrumento. Junto a seu pai, habituou-se a partir de 1981 a frequentar o “ponto dos músicos”, tradicional encontro de artistas na Praça da Sé, assim como o famoso ponto da Ipiranga com a avenida São João, onde acostumou-se a ouvir histórias musicais dos assíduos frequentadores. Ainda em 1981 começava a “dar canjas” na vida noturna e a tocar instrumentos de percussão em bandinhas (grupos especializados em shows circenses e eventos comerciais). A vida de um músico “da noite” exigia um repertório bastante diversificado com aproximadamente: 200 sambas, 50 boleros, 50 standars de filmes norte-americanos, 100 bossas, 50 chá chá chás, 20 tangos, 20 mambos, 20 maxixes, choros diversos, marchas de carnaval, valsas, músicas italianas, francesas, entre músicas da “moda”. A exigência de se tocar todas as músicas em todos os tons, conferia a Joseval uma infinidade de elementos harmônicos, melódicos e rítmicos, decisivos em seu aprendizado musical. Estudou o método “Isaías Sávio” de violão erudito, um compêndio de peças para violão solo, e “Escola Moderna do Violão”, do mesmo autor. Esses métodos viriam reforçar e ampliar em Joseval sua habilidade técnica com as mãos. Em 1982, surge uma grande paixão musical que iria marcar sua vida: o jazz norte-americano. A partir daí, iniciou na busca pelos grandes mestres do estilo, passando a ouvir milhares de discos na tentativa de reproduzir aqueles sons e tendo influência de Wes Montgomery, George Benson, Joe Pass, Oscar Peterson, Chet Baker, Count Basie, Dexter Gordon, Tom Jobim, Lúcio Alves, Dick Farney, Cézar Camargo Mariano, Elis Regina, Johny Alf, Tito Madi, Pixinguinha, Ataulfo Alves, Hermeto Paschoal, Chico Buarque, Noel Rosa, Ivan Lins, dentre muitos outros. Em 1993, encontra a parceria musical que seria a mais intensa e constante em sua vida e que se estende aos dias atuais: com o saxofonista argentino Hector Costita que ao longo desses anos tem como encontro marcado de apresentações a tradicional casa de Jazz “All of Jazz” em São Paulo. Além da grande paixão pelo jazz, com Hector, Joseval participa de uma infinidade de eventos musicais dos mais diversificados possíveis entre Brasil e exterior com Grupos Musicais, Clubes e Orquestras em que atuou como Clube Piratininga, Lillas Clube, Orquestra Colúmbia, Toscano e sua Orquestra, Orquestra Carinhoso, Cantina Vico do Scugnizzo. Karaokê Kyoto, Orquestra de Osmar Milani, Banda Reveillon, Orquestra Francisco Petrônio. Orquestra maestro Tíbor, Clodo e sua Orquestra, Orquestra Show Cubana, Avenida Club, Orquestra Maestro Azevedo, Shining Brass Band, Orquestra Maestro Élcio Álvares, Orquestra Maestro Zezinho, Gallery Band, Orquestra Clóvis e Ely, Grupo Roda Viva, Grupo Saint Paul, Italian Music Show, Shimon Lavi- grupo especializado em festas na colõnia judaica, Sammys Band, Osvaldo Sargenteli e suas mulatas, Osvaldo Sândoli e sua orquestra, Abelardo Figueiredo Shows, Sam Jazz, Big Band Sampa, Ed Costa orquestra, All Stars Jazz Band, Eureka Street Band, André Busik Hot Line Jazz Band, Swiss Collegie Dixie Band entre outras. Atuou tocando música instrumental com Arismar do Espírito Santo, Zé Ro Santos, Wilson Teixeira, Valmir Gil, Odésio Jericó, Bauru, Nahor Gomes, Bob Wyatt, Cuca Teixeira, Edu Ribeiro, Pepa Delia, Conrado Paulino, Pepe Baconau, Silvinho Mazuca, Thiago Costa, Fábio Torres, Celso de Almeida, Paulo Paulelle, Jorge Savedra, Sílvio Fats, Lito Robledo, Michel Leme, Jarbas Barbosa, Moacir Peixoto, Rubens Barsotti, Luís Chaves, Itamar Colaso, Célio Barros, Rodrigo Botermaio, Rogério Botermaio, Ademir Cândido, Laércio de Freitas, Lelo Izar, Vinícius Dorin, Nélson Aires, Roberto Sion, Fernando Correia, Toninho Pinheiro, Boneca, Chu Viana, Roberto Dantas, Rodrigo Ursaia, Roland Wagner, Valter Pinheiro, Arrudinha, João de Deus, Nelson Rubo, Jovito, Alonsito, Roberto Galhardi, Bira, Osmar Barutti, Conrado Paulino, Luiz Chaves, Edmundo Villani Cortês, dentre outros. Nas casas de Jazz atuou em: Ao Vivo Music, Opus 2001, Sanja Jazz Bar, Jazz and Blues, Café Piu Piu, Baiuca, Blue Night, Boubon Street, Melograno Jazz Bar, All off Jazz. Tom Tom Jazz Bar, Teta Jazz Bar, The River Café – New York, entre outros. Cantores com os quais trabalhou: Agnaldo Rayol, Ivete Matos, Ralf, Francisco Petrônio, Cristina Campos, Roberto Leal, Mário Armstrong Jr., David Gordon, Ísis Gordon, Tony Gordon, Celso Miguel, Geana Viscardi, Babi Reis, Vera Lúcia, Mara Melgis, entre outros Escolas de Música de sua atuação: Cosvervatório do Morumbi- 1985, Conservatório da Mooca- 1985, Clam- escola de Música dirigida pelo grupo Zimbo Trio- 1991 a 1993, Conservatório de Tatuí 2002 até os dias atuais. Festivais de Música em que atuou tocando e ministrando aulas: Festival de Inverno de Campos do Jordão- 2002 e 2003, Festival de Inverno de Presidente Epitácio-2003, Festival de Inverno e Curso de Férias de Tatuí - de 2004 a 2006. Desde 1992 desenvolve um método próprio de ensino musical, ministrando aulas em domicílio de violão, guitarra, contrabaixo e piano. Em 2014 completa 20 anos de parceria com o saxofonista Hector Costita, tendo realizado mais de 2 mil apresentações em todo o Brasil. Mantém o “Joseval Paes Trio” (com Heverton Silveira, bateria, e Felipe Brisola, contrabaixo), é professor de guitarra e contrabaixo elétrico de MPB&JAZZ no Conservatório de Tatuí onde também é guitarrista do Jazz Combo da mesma instituição.

Juliano de Arruda Campos

Juliano de Arruda Campos

Orquestra Sinfônica Jovem

Iniciou seus estudos musicais aos sete anos de idade no Conservatório de Tatuí, onde concluiu os cursos de flauta-doce e flauta-transversal. Aos 15 anos, estreou como solista o concerto de Brandemburgo Nº 4 de J. S. Bach em São Paulo, Tietê e Tatuí junto à Orquestra Sinfônica de Tatuí sob a regência de Lutero Rodrigues. Posteriormente, continuou seus estudos na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), graduando se em música com habilitação em instrumento sob a orientação do flautista Antônio Carlos Carrasqueira, onde também teve como professores Aylton Escobar, Gilberto Mendes, Gil Jardim, Mario Ficarelli, Olivier Toni e Willy Corrêa de Oliveira.
Ainda pela ECA-USP, participou como flautista no Festival de Música Nova com o grupo italiano “Maderna”, Festival de Música Brasileira Contemporânea junto à Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo e Encontro Internacional de Música Contemporânea, tendo também como extensão dos seus estudos acadêmicos a atuação como professor e solista nos Festivais de Música de Prados (MG) de 1990 a 1992.
Em 1990, venceu o II Concurso Nacional de Música da Faculdade Santa Marcelina – FASM na categoria música antiga (flauta-transversal) e contribuiu na elaboração do projeto musical “Coral do Museu Lasar Segall” até o ano de 1991, quando idealiza e realiza o curso de “Educação Musical através da Flauta Doce” juntamente com o professor e maestro Marco Antonio da Silva Ramos. Atuou como regente assistente nos anos de 1991 e 1992 do coral Libercanto da Fundação Cultural “Cassiano Ricardo” de São José dos Campos e coordenou as atividades musicais dos Colégios: Anglo (1992 a 1995) e OSE Uirapuru (1995 e 1996) de Sorocaba e Terra-Lima (1997 e 1998) de Tatuí.
No Conservatório de Tatuí, é professor de flauta transversal desde 1994, flautista principal e regente assistente da Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí (Orquestra Sinfônica Paulista) e regente da Orquestra de Flautas Brasileira “João Dias Carrasqueira”, grupo pioneiro no Brasil desta formação, que idealizou e criou no ano de 1999. Organizou as masterclasses dos flautistas Raffaele Trevisani (Itália), Antônio Carlos Carrasqueira (Brasil), Brooks de Wetter-Smith (EUA), Wendy Rolfe (EUA), István Matuz (Hungria) e José Ananias Souza Lopes (Brasil).
Representou o Conservatório de Tatuí na “The Midwest Clinic – An Internacional Band and Orchestra Conference 53rd Annual Convention” em Chicago – Illinois (EUA), atuando também dentro das atividades artísticas do Departamento de Artes da William Jones Academic Magnet High School, ensinando flauta e tocando no concerto final.
Em Milão (Itália), assistiu a masterclass de James Galway, a convite da Accademia Internazionale Della Musica, organizado pelo flautista italiano Raffaele Trevisani, com quem vem realizando um aperfeiçoamento particular desde 2002. Também é professor e regente do Raffaele Trevisani International Summer Course em Premeno (Itália) desde 2006 e tem assistido às International Flute Masterclass com o grande flautista Sir James Galway em Interlaken (2006) e Weggis (2007) na Suíça.
Esteve como solista e maestro frente a renomadas orquestras, entre elas: Orquestra Sinfônica de Tatuí, Orquestra do Festival de Campos do Jordão (Núcleo – Tatuí), Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí, Orquestra Municipal de Bauru, Banda Municipal de Bauru, Banda Sinfônica de Santa Rosa de Vitérbo, Orquestra do Festival de Prados, Orquestra Sinfônica de Poços de Caldas, Orquestra de Câmara de Presidente Prudente, Orquestra Sinfônica de Araçoiaba da Serra e Orquestra de Sopros do Conservatório de Tatuí (Orquestra de Sopros Brasileira), na qual contribuiu como spalla durante dez anos. Estiveram sob sua batuta Raffaele Trevisani (Itália), Toninho Carrasqueira, Fabio Witkowski (Brasil-EUA), Gisele Nacif Witkowski (Brasil-EUA), Miriam Braga, Patricia Alvarez (Paraguai-Brasil), Cristiano Alves, Alexandre Ficarelli, Hector Costita (Argentina-Brasil), Émerson de Biaggi e Edson Scheid.
Participou da gravação em mais de vinte CDs e DVDs e em programas de TV como Programa do Jô (Rede Globo), GloboNews, Hebe (sbt), TV Cultura, TV Canção Nova e Band, tem atuado como jurado e flautista dos principais festivais de MPB, tendo tocado com grandes nomes da música brasileira, entre elesJohnny Alf, Théo de Barros, Paulo César Pinheiro, Roberto Menescal, Paulinho Nogueira, Carlinhos Vergueiro, Aldyr Blanc, Inezita Barroso, Hector Costita, Francis Hime, Guilherme Arantes, Toquinho, Luiz Melodia, Elba Ramalho, Alceu Valença, Oswaldo Montenegro, Juca Chaves, Chico César, Vânia Bastos, Altamiro Carrilho, Leila Pinheiro e Pepeu Gomes.
Foi o primeiro flautista brasileiro a ministrar masterclass na ECA-USP, onde realizou no ano de 2005 pesquisas como aluno especial no curso de pós-graduação. É Artista Powell Flutes (EUA).

Márcia Braga

Márcia Braga

Camerata Jovem de Violão

Educadora, professora de violão, música de câmara e de Letras (português e inglês), maestrina de orquestras de violões, psicopedagoga e terapeuta familiar e de casais. Violonista carioca, radicada desde menina em Tatuí, onde teve seu primeiro contato com o violão nas aulas recebidas no Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos”. Faz parte do corpo docente da instituição, desde 1982, e nela foi, ainda, uma das criadoras e maestrina, desde de 1990, das primeiras orquestras de violões: de Tatuí, Corda Toda e Violões & Cia.
Alguns músicos considerados por ela como construtores de sua formação, dos violonistas com quem estudou, destacam-se os professores Pedro Cameron, Henrique Pinto, Carlos Alberto de Carvalho, Edson Lopes e Geraldo Ribeiro.
Participou de workshops e masterclasses com Aymoré, Turíbio Santos, Paulo Porto Alegre, Eduardo Meirinhos, Gustavo Costa, Gilson Antunes, Abel Carlevaro, Graciela Pomponio, Jiro Amada, Rochard Stover, Hopkison Smith, Eduardo Fernandez, Marcel Egg, Costa Costiolis e Joaquim Clerch, entre outros. Dentro da MPB, grandes nomes como Benjamim Taubkin, Guello, Arrigo Barnabé, Nélson Ayres, Egberto Gismonti e Hermeto Paschoal. Suas grandes influências musicais inevitavelmente ficam por conta de Tadeu de Freitas, de H. J. Koellrreuter e Paulo Braga.
Sempre foi uma apaixonada pelo violão em câmara, tocando ao lado de grandes nomes do violão. Assim, seu trabalho didático sempre foi prioritário e é em nome dele que dedica sua arte.
A Camerata Juvenil de Violões do Conservatório de Tatuí (Violões & Cia.) é atualmente sua principal orquestra. Está sob sua direção musical desde 1991 e conta com mais de uma centena de apresentações pelo Brasil e, também, na Alemanha (onde realizou turnê no ano de 2008). A Camerata de Violões lançou em 2002 seu primeiro CD, o “Carinhoso”, com repertório brasileiro e tendo arranjos e performances como suas obras-primas.

Marco Antonio de Almeida Junior

Marco Antonio de Almeida Junior

Regente

Bacharel em euphonium pela Faculdade Mozarteum de SP (Famosp) e formado em regência pelo Conservatório de Tatuí, na classe do maestro Dario Sotelo, iniciou os estudos aos 10 anos com o pai na Igreja Evangélica Assembleia de Deus. Mais tarde passou a ter aulas com o professor Wilson Dias. Enquanto estudante ingressou em diversas bandas paulistas e participou de importantes festivais, oficinas de música, masterclasses e workshops sob orientações de professores de renome internacional, como Steven Mead, Adam Frey, David Childs, Rafael Mendes, Fernando Deddos e Henrique Crespo. Em 2004, aos 15 anos, foi finalista do 6° Premio Weril para Instrumentos de Sopros. Em abril de 2009 foi aprovado como eufonista chefe de naipe junto à Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí. Como músico-convidado atuou junto à Orquestra Sinfônica de Campinas, Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, Orquestra Sinfônica da Unicamp, Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, Banda Sinfônica do Estado de São Paulo. Enquanto artista-convidado, participou do: 2º Encontro de Tubas Y Eufônios na Argentina (2008); 2ª Conferência de Tubas e Eufônios do Sul, em Porto Alegre (2010); I, II e III Festival Internacional de Metais Carlos Gomes, em Campinas (2009, 2010 e 2011); I Conferência de Música nas  Américas, em Belém do Pará, junto a BSESP (2013); Oficinas Itinerantes do programa Coreto Paulista (2014); II Masterclass de  Euphonium;  projeto Musica nas Escolas –  Barra Mansa RJ. Se tratando de Música de Câmara, faz parte do Sexteto Carlos Gomes, Quarteto Euphonismo e Quinteto Só Metal. Por diversas vezes integrou bancas examinadoras de audições, testes, tanto de âmbito interno como externo e também a nível nacional. Já esteve – enquanto solista - à frente de vários grupos sinfônicos, tais como: Banda Carlos Gomes de Campinas, Banda Sinfônica de Nova Odessa, Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí, Banda Municipal de Americana, Conjunto de Metais do Conservatório de Tatuí e Orquestra Sinfônica de Campinas, em que fez a estreia mundial da obra “Cuatro Intenciones para Tuba, Eufônio e Orquestra de Cordas”. Na trajetória de instrumentista muitas foram suas participações trabalhos especiais. Entre eles: DVD em comemoração aos 15 anos da Orquestra de Sopros Brasileira; DVD em comemoração aos 20 anos da Banda Sinfônica de Sumaré; CD Edições de Partituras para Banda – Funarte; CD em comemoração aos 20 anos da Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí; CD em comemoração aos 25 anos da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo. Como regente convidado atuou frente à Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí, Banda Sinfônica de Nova Odessa; Banda Sinfônica de Sumaré; e Banda Henrique Marques de Limeira. Em 2014, foi aprovado como eufonista junto a Banda Sinfônica do Estado de São Paulo. Participou também em 2014 da Conferência “The Midwest Clinic” em Chicago – EUA. Atualmente atua na Banda Sinfônica de Nova Odessa, Felipe Coelho Octeto e Big Band na Gaveta. É professor de instrumento e regente titular da Banda Sinfônica Infantil e Infantojuvenil no Conservatório de Tatuí.

Marcos Pedroso

Marcos Pedroso

Saxofone

Spalla da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo, é professor de saxofone e coordenador da Oficina de Performance e Repertório para Saxofones do Conservatório de Tatuí e líder do Saxofonia – quarteto de saxofones, com o qual lançou o CD “Saxofonia”. Pós-graduado em Metodologia do Ensino da Música, há mais de duas décadas desenvolve contínuo e intenso trabalho em pesquisa, ensino e divulgação do repertório original para saxofones, com ênfase na música brasileira. Atuou como professor de saxofone do 29º e 30º Festival de Inverno de Campos de Jordão, 2º e 7º Cursos de Férias do Conservatório de Tatuí, entre outros. Como solista em gravações, participou da coleção “Solos” e do CD “Suíte Tropical” da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo. Em concertos, atuou como solista frente aos principais grupos sinfônicos do Estado de São Paulo. Desde 1999 colabora como saxofonista convidado da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP), tendo realizado com este grupo três turnês brasileiras e cinco turnês internacionais, tocando em salas como Royal Albert Hall (Londres), Phillarmonie (Colônia), Musicferrein (Viena) e Avery Fischer Hall (USA) e Colón (ARG). Com a OSESP gravou para o selo BIS, três CDs com a integral dos “Choros” de Villa-Lobos, o CD “Floresta do Amazonas”, o DVD “São Paulo Samba” e do CD do trompetista norueguês Ole Edvard Antonsen, colhendo em suas atuações junto à OSESP críticas elogiosas no New York Times e do presidente da gravadora BIS, Robert Von Bahr. Em março de 2013 dividiu com Claude Delangle e Sofia Zumbado o recital de abertura do I Congresso Latino Americano de Saxofonistas realizado na Costa Rica e em outubro realizou sua 5ª turnê internacional com a Osesp. Junto a Erik Heimann organiza o Encontro Internacional de Saxofonistas do Conservatório de Tatuí.

Miriam Candido

Miriam Candido

Coro Infantil do Conservatório de Tatuí

Formada em educação artística com pós-graduação em Psicopedagogia e Educação Musical. Regente de canto-coral, com trabalho voltado ao coro infantil. Foi semifinalista do Concurso Funarte na cidade do Rio de Janeiro, com o coro infantil “Moléculas”. Com o mesmo coro ganhou em primeiro lugar, com o tema “Amor e Infância”, o concurso do 1º Encontro Latino-Americano de Jacareí, além de ter sido semifinalista do Mapa Cultural Paulista (fase municipal). Fez curso com Dulce Leandro, Gisele Cruz, Violeta Gainza, Henry Leck, Marisa Fonterrada, Erik Westemberg e Angelo Fernandes. Atualmente, realiza trabalho vocal na área de Educação Musical do Conservatório de Tatuí e é regente do Coro Infantil do Conservatório de Tatuí, além de atuar na área de Canto Coral da Emesp-SP.

Agência Digimeta