Institucional 6
Institucional 5
Institucional 4
Institucional 3
Institucional 2
Banner Institucional 1
Conservatório Dramático e Musical de Tatuí

Prática de Conjunto

A Prática de Conjunto é uma disciplina obrigatória em todos os cursos do Conservatório de Tatuí. A atividade tem carga horária mínima de 2 horas/aulas por semana (1º e 2º anos) e de 4 horas/aulas por semana a partir do 3º ano. A Prática de Conjunto é essencial na formação do estudante de música, seja no aspecto social ou disciplinar, pois ao estimular a realização musical coletiva, promove a interação dos estudantes e cultiva neles a consciência das implicações éticas e hierárquicas do trabalho em grupo, além de propiciar aos alunos diferentes possibilidade para a prática saudável e proveitosa dos instrumentos de sua preferência.
A disciplina abrange grupos de estudantes dos segmentos de Sopros (Madeiras e Metais), Cordas, Canto, Percussão e Performance Histórica, tanto na Área de Música Erudita quanto na Área de Música Popular, que engloba MPB/Jazz, Choro e Música Raiz. A Prática de Conjunto é assegurada por meio dos Grupos Pedagógicos do Conservatório de Tatuí, constituídos por alunos, sempre sob a orientação de um professor responsável.  Nestes grupos, os estudantes cumprem um calendário anual de atividades pedagógicas e artísticas, que incluem ensaios, concertos didáticos, provas e apresentações nas Mostras de Prática de Conjunto, realizadas regularmente pela instituição.

GRUPOS PEDAGÓGICOS SOB COORDENAÇÃO DA ÁREA DE PRÁTICA DE CONJUNTO
Grupo Pedagógico Professor Responsável
Banda Sinfônica Infantojuvenil do Conservatório de Tatuí Marco Antônio Almeida Júnior
Banda Sinfônica Jovem do Conservatório de Tatuí José Antonio Pereira
Big Band Jovem do Conservatório de Tatuí Hudson Nogueira
Camerata Jovem de Violões do Conservatório de Tatuí Márcia Braga
Conjunto de Metais do Conservatório de Tatuí Edmilson Baía
Coro Infantil do Conservatório de Tatuí Miriam Cândido
Coro Jovem do Conservatório de Tatuí Ester Freire
Ensemble de Performance Histórica do Conservatório de Tatuí João Guilherme Figueiredo
Grupo de Choro Jovem do Conservatório de Tatuí Altino Toledo
Grupo de Percussão Jovem do Conservatório de Tatuí Agnaldo Silva
Grupo Jovem de Saxofones do Conservatório de Tatuí Marcos Pedroso
Grupo Jovem de Teatro do Conservatório de Tatuí Dalila Ribeiro
Jazz Combo Jovem do Conservatório de Tatuí Diego Garbin
Orquestra de Cordas Infantil Conservatório de Tatuí Ana Lúcia Leite
Orquestras de Cordas Infantojuvenil e Juvenil do Conservatório de Tatuí Adriano Del Mastro Contó
Orquestra Sinfônica Jovem do Conservatório de Tatuí Gustavo Assumpção

Luciano Pereira

Luciano Pereira

Coordenador de Música de Câmara e Prática de Conjunto, Professor de História da Música e Teoria e Percepção

Iniciou seus estudos musicais em Capivari/SP, sua cidade natal. É formado pelo Conservatório de Tatuí e diplomado pelo Instituto de Artes da UNESP. Dentre seus mestres estão Ely Jacob Hessel, Joel Barbosa, Sérgio Burgani, Luis Antonio Montanha e Walter Boeykens (Bélgica). Como camerista, obteve Menção Honrosa no II Concurso Internacional Honorina Barra (Curitiba/PR) na categoria música de câmara. Fez especialização, entre 2003 e 2006, na ECA-USP, em clarinetes históricos, desenvolvendo intenso trabalho de pesquisa e performance em instrumentos de época, sob a orientação da Prof.ª Mônica Lucas. Desde 2004 integra o Sexteto Harmoniemusik, único grupo no Brasil especializado na harmoniemusik, denominação pela qual era conhecida a música para sopros do século XVIII. Participa frequentemente de concertos e gravações de CDs com diversos grupos especializados na performance histórica, além do Sexteto Harmoniemusik, também a Orquestra do Festival de Juiz de Fora/MG, o grupo Americantiga, a Orquestra da Companhia de Ópera Juventus Lyrica (Buenos Aires/Argentina). A convite de FUNARTE/MinC atuou como professor de clarinete nos Painéis Funarte de Bandas de Música, nas cidades de Porto Velho/RO e Goiânia/GO e Bananeiras/PB. É Mestre em Música pelo Instituto de Artes da UNICAMP, sob a orientação da Prof.ª Helena Jank. Sua dissertação versa sobre a interpretação historicamente orientada da música do século XVIII, no clarinete histórico, bem como o emprego da linguagem antiga em clarinetes modernos. Por conta deste trabalho, é frequentemente convidado a dar palestras e masterclasses em diversas instituições de música no Brasil, tais como Conservatório de Tatuí, USP, UNESP, UFSM, Universidade de Passo Fundo (RS), entre outras. Como freelancer atua em orquestras como a Sinfônica de Rio Claro, Sinfônica de Ourinhos e Camerata Paulistana. Leciona História da Música, Teoria/Percepção Musical e Clarinete no Conservatório de Tatuí, onde coordena as Áreas de Prática de Conjunto e Música de Câmara. Atualmente, recebe orientações do Prof. Edmílson Nery.

Adriano Del Mastro Contó

Adriano Del Mastro Contó

Professor de Prática de Conjunto

Estudou Piano no Conservatório de Tatuí nas áreas de Música Clássica e Música Popular. Graduou-se em Música Popular pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) em 2000 e em Regência, pela mesma universidade, em 2003. Concluiu o Mestrado em Processos de Criação Musical pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP) em 2008 com a dissertação intitulada: "Análise de técnicas de orquestração da música brasileira na 'Suíte Brasiliana n. 1' de Cyro Pereira", analisando a escrita orquestral na música brasileira com foco nos citados compositor e obra, tendo executado a peça frente à Orquestra Sinfônica de Sorocaba e Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí. Atuou também como solista da Orquestra Filarmônica Rio Claro, como pianista e chefe de naipe da Big Band do Conservatório de Tatuí (2009-2011) e em grupos de música erudita. Na área acadêmica, trabalhou no Projeto Guri Santa Marcelina, Escola de Música do Estado de São Paulo (Emesp), Instituto Baccarelli de São Paulo, Conservatório Souza Lima, entre outros, onde,por vezes, regeu orquestras, bandas ou corais. Escreve arranjos e orquestrações para grupos de diversas formações e tem dois CDs com o Grupo Comboio. Atualmente, é professor responsável das Orquestras Infantil, Infantojuvenil e Juvenil do Conservatório de Tatuí, professor da Faculdade Mozarteum de São Paulo e cursa doutorado na USP, sob orientação do maestro e prof. Dr. Gil Jardim com o tema “Regência em polirritmias”.

Agnaldo Silva

Agnaldo Silva

Percussão Sinfônica e Prática de Conjunto

Pós-graduado em educação musical pela Faculdade Paulista de Artes - São Paulo e formado no curso de Percussão Sinfônica do Conservatório de Tatuí pelos professores Javier Calvino e Eduardo Gianesella. Desenvolve trabalhos tanto na área de música erudita quanto na área popular. Integrou a Orquestra Sinfônica Paulista (atual Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí) e Big Band “Prata da Casa” durante dez anos. Realizou turnês pelo país com Wagner Tiso (piano) e Victor Biglione (violão) e concertos ao lado de grandes nomes do cenário musical como: Leila Pinheiro, Leny Andrade, Alceu Valença, Elba Ramalho, Francis Hime, Tatjana Vassihjeva (Violoncelo), Ed Sarath (EUA-Trumpete), Arnaldo Cohen (Piano), Altamiro Carrilho (Flauta), Roberto Sion (Saxofone), Neils Neeghard (Dinamarca-Trombone), Gerald Robbins (EUA-Piano), Nelson Ayres (Piano), Rafael dos Santos (Piano) entre outros. Gravou 12 CDs com diversas formações de grupos do Conservatório de Tatuí. Participou de masterclasses de percussão com John Beck (EUA - tímpanos), Bill Molenhof (EUA - vibrafone), Howard Stevens (EUA - marimba), Ben Toth (EUA - percussão), Ney Rosauro (Brasil - percussão), Carlos Stasi (Brasil/EUA - percussão), Eduardo Leandro (Brasil/Holanda - percussão), Ari Colares (Brasil - percussão), Carlos Tarcha (Brasil/Alemanha - marimba), John Boudler (Brasil/EUA - percussão), Vic Firth (EUA - tímpanos), David Friedman (EUA - vibrafone) entre outros. Em 2016 representou o Conservatório de Tatuí na The Midwest Clinic International Band Orchestra And Music Conference (Conferência Internacional para Bandas e Orquestras) em Chicago, nos Estados Unidos. Desenvolve trabalhos de percussão de vanguarda como solista e camerista interagindo com diversas áreas artísticas. Compõe o "Duo Gênese" (Piano e Percussão) com a pianista Cristiane Bloes. Também juntamente com Cristiane Bloes, coordenou em 2009 e 2010 o Grupo de Música Contemporânea do Conservatório de Tatuí (grupo pedagógico que propõe novas formas de abordagem e escrita musical). Integrou o corpo docente do projeto Pró-Bandas (Projeto de apoio às Bandas) em todas as edições (1997 a 2007), ministrando workshops de percussão por diversas cidades do estado de São Paulo. Estreou no Brasil a convite do maestro Dario Sotelo, a obra "Canticle of the Sun" do renomado compositor Martin Ellerby, escrita para percussão solo e Banda Sinfônica. Em 2010 criou e iniciou a coordenação do Grupo de Percussão Jovem do Conservatório de Tatuí (grupo pedagógico) com o qual participou no mesmo ano do II Prêmio Incentivo de Música de Câmara, obtendo quatro premiações, dentre as quais se destaca a de melhor obra original. O prêmio foi obtido com a obra "Tic-Tac" escrita para grupo de percussão, de sua autoria. Atuou em todos os Encontros Internacionais de Percussão do Conservatório de Tatuí sendo co-coordenador do 5º Encontro em 2011 e como solista convidado no 6º Encontro em 2014. É professor da área de Percussão Sinfônica do Conservatório de Tatuí, integrante do GPC (Grupo Percussionista de Câmara de Tatuí), coordenador do Grupo de Percussão Jovem do Conservatório de Tatuí, tímpanista e chefe de naipe da Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí.

Altino Toledo

Altino Toledo

Bandolim, Prática de Choro e Prática de Conjunto

Bandolinista, fundou, com Alexandre Bauab Jr., o Grupo de Choro do Conservatório de Tatuí (Grupo de Choro Quebrando Galho). Atualmente, é graduando em Educação Musical na USFCar (Universidade Federal de São Carlos). Introduziu o ensino do bandolim no Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos” de Tatuí, dentro do núcleo de choro, instituição na qual é professor de bandolim e prática de choro desde 1999. Como professor, ministrou aulas em festivais como o 25º Festival de Londrina (aulas de bandolim e prática de choro); em três edições do Festival de Ourinhos (aulas de prática de choro); e em workshops e concertos didáticos nas cidades de Jaú, Bauru, Ribeirão Preto, Santos e em Tatuí. Participou de mais de cem apresentações públicas em mais de cinqüenta diferentes cidades do Estado de São Paulo, dentre elas destacam-se as realizadas com músicos reconhecidos nacional e internacionalmente como Naylor “Proveta”, Altamiro Carrilho e Humberto Araújo. Com o Grupo de Choro Quebrando Galho gravou CD homônimo. Ainda no campo das gravações, participou como bandolinista do CD “Soleil” da cantora Clementine (lançado pela Sony Music), do CD “Horn Brasil” de Adalto Soares e do CD “Choro Canção” do grupo Casa de Marimbondo. Como bandolinista do Grupo de Choro do Conservatório de Tatuí (Quebrando Galho) gravou programas de televisão como o Sinfonia Fina (série exibida pela TV Cultura em 2007), Jazz&Cia. (TV Cultura) e Instrumental Sesc Brasil (STV). Foi premiado por duas vezes (segundo e terceiro lugares) no Prêmio Nabor Pires de Camargo. Apresentou-se em algumas das principais casas de eventos e teatros do país, como o “Cláudio Santoro” (Campos do Jordão) e Memorial da América Latina (São Paulo). Com a Orquestra Violões & Cia. e com quarteto de choro realizou inúmeras apresentações nas cidades de Manhein e Heidelberg (Alemanha), em 2008.

Ana Lúcia Leite

Ana Lúcia Leite

Violino, Viola e Prática de Conjunto

Formada em viola pelo Conservatório de Tatuí. Aluna da classe do professor Paulo Bosísio, iniciou seus estudos no violino e mais tarde passou a estudar viola. Freqüentou diversos cursos em Campos do Jordão e Curitiba como instrumentista, além de cursos para professores do método Suzuki. Leciona no Conservatório de Tatuí, Escola Livre de Música de Itapetininga e integra a Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí (Orquestra Sinfônica Paulista).

Dalila Ribeiro

Dalila Ribeiro

Montagem, Oficina de Maquiagem e Grupo Jovem de Teatro

Atriz, diretora, maquiadora e professora do Departamento de Artes Cênicas do Conservatório de Tatuí. Formada em Artes Plásticas e pós-graduada em Psicopedagogia pela ASSETA – Faculdades de Tatuí/SP. Iniciou seus estudos de teatro em 1991 no Conservatório de Tatuí por meio do curso de formação de atores, ministrado por Antonio Mendes e Carlos Ribeiro. Participou de cursos com vários profissionais de teatro, dentre os quais se destacam Augusto Boal, Roberto Gil Camargo, Edu Silva, Semi Lutfi, Alberto Gaus, Robert Francis Mc”Crea e Zé Renato. Dos trabalhos que realizou como atriz destacam-se “Paixão Segundo Nelson Rodrigues” (1992) “Édipo Rei” (1995/1996), “Santa Joaninha” (1998) e “O Desconhecido” (1999/2000), Rosa de Cabriúna (2011). Foi premiada como atriz coadjuvante nas peças “O Desconhecido”, “Santa Joaninha” e “Édipo Rei” e como melhor atriz “Rosa de Cabriúna”. Entre os trabalhos como diretora destacam-se: “A Gata Borralheira” (1998), “Dois Corações e Quatro Segredos” (2015), “O Menino que Virou História” (2016) Atualmente integra a equipe técnica/artística da Área de Artes Cênicas do Conservatório de Tatuí, é a professora responsável pela Oficina de Maquiagem do departamento de Artes Cênicas,  professora de prática teatral e montagem no curso de Teatro Juvenil, professora e criadora da disciplina Jogos Teatrais para Músicos e professora do Grupo de Performance da área de Música de Câmara, sob a coordenação de Miriam Braga.

Diego Garbin

Diego Garbin

Trompete MPB/Jazz e Prática de Conjunto

Iniciou seus estudos musicais aos 7 anos,  na bateria e violão, com seu pai Antônio Garbin. Formou-se em 2008 no curso de Trompete do Conservatório Dramático e Musical "Dr. Carlos de Campos" de Tatuí. Entre suas experiências musicais, ja teve oportunidade de tocar ao lado de músicos como Vinicius Dorin, Maestro Branco, Hermeto Pascoal, Toninho Horta, Armando Marçal, Thiago do Espirito Santo, Marcos Paiva, André Marques, Mario Campos, Itibere Zuarg, Cleber Almeida, Fabio Gouveia, J. P. Barbosa, Trio Corrente, Humberto Araujo, Nailor Proveta, Ademir Junior, Marcelo Coelho, Daniel Alcantara, Vitor Alcantara, Nelson Faria, Sizão Machado, Gilson Piranzatta, Mauro Senise, Vittor Santos, Jorginho do Trompete, Lenny Andrade, Miles Osland, Altair Martins, entre outros. Participou do disco “Natureza Universal” com a "Hermeto Pascoal Big Band", álbum ganhador do Grammy Latino 2018 como melhor álbum de Jazz Latino. Recentemente, lançou seu primeiro álbum solo chamado “Refúgio”, gravado pelo selo Blaxtream de música instrumental. Participou de diversos Festivais no Brasil e no exterior, tais como: Jazz a La Calle (Uruguay), Tucuman Jazz (Argentina), Savassi Jazz Festival (Belo Horizonte-MG), Festival de Música de Ourinhos (Ourinhos-SP), Painel Instrumental (Tatuí-SP), e também em shows na Suíça com Paulo Almeida Quinteto. Atualmente é professor do curso de Trompete MPB/Jazz no Conservatório de Tatuí, onde integra também a Big Band. Atua ainda nos grupos Hermeto Pascoal e Big Band, Fabio Gouveia Deceto, Noneto de Casa, Cleber Almeida Septeto, André Marques Sexteto, Paulo Almeida Quinteto e Salomão Soares Quarteto.

Edmilson Baia de Oliveira

Edmilson Baia de Oliveira

Prática de Conjunto

Iniciou seus estudos de trombone no Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos” de Tatuí no ano de 1995 com o professor Irineu D. Gregório, tendo estudando, ainda, em 1998 com o professor Gilberto Gagliardi, em 2000 com o professor Marcelo de Jesus da Silva, em 2002 com o professor Darrin C. Milling e no ano de 2003, quando concluiu o curso de trombone, com o professor Alan de Lima Palma. Participou de vários festivais e cursos de renome, tendo participado de workshops e masterclasses com Joseph Alesi, Roger Rocco, Canadian Brass, Marvim Stam, Ed Sarath, Neels Neegard, Martin Winigier, Hudson Nogueira, Nahor Gomes, Dale Underwood, Daniel Barry e Fred Mills. Realizou importantes apresentações sob a regência de conceituados nomes na área musical internacional entre eles Lazlo Marosi, Arnold Gabriel, Virgínia Allen e Richard Markson. Participou da gravação de CDs com a Big Band “Prata da Casa” e Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí (Orquestra de Sopros Brasileira). Foi professor de trombone nas oficinas do Pró Bandas nos anos de 2000 a 2007 e do projeto Bandas da Funarte em 2007. Participou como primeiro trombone da Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí (Orquestra Sinfônica Paulista) no período de 2000 a 2008. Atualmente trabalha como chefe de naipe e primeiro trombone na Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí e também atua como professor de trombone e regente titular do Conjunto de Metais do Conservatório de Tatuí.

Ester Freire

Ester Freire

Canto Coral e Prática de Conjunto

Mestranda em Ciência da Educação pela Universidade Autônoma de Asunción (Paraguai). Bacharel em composição e regência , com licenciatura plena em música pela Faculdade Carlos Gomes-SP. Integra o quadro de professores do Conservatório de Tatuí (SP). Parceira do Grupo de teatro Esparrama, com o qual criou o espetáculo 2POR4, em que também assina a direção musical. Em 2017, a convite da Editora do Brasil, lançou o livro "2POR4 - Um encontro musical com palhaços". Como experiência internacional, em dezembro de 2017, realizou um trabalho de música brasileira com os coros da École de Musique de Rouen" (França). Em 2012, trabalhou na preparação e montagem do Coro de colaboradores da Empresa Natura, no Evento Celebração Natura  2012 - Riviera Maya (México). Ministrou Seminário de Regência Coral na cidade de Assunção (Paraguai), a convite da Instituição Ateneu Paraguayo 2007. Atua em diversas parcerias com outras áreas de conhecimento. Atividades realizadas: regente do Coro da Empresa Nextel -SP, regente do Coro da Igreja Luterana da Lapa, professora de Canto Coral no Programa Escola da Família (FDE/UNESCO). Foi idealizadora e organizadora da Mostra Sacra da Igreja Luterana da Lapa (SP) - mostra anual de coros com repertório sacro. Foi preparadora vocal e assinou a direção musical do espetáculo "Descalabro", com o grupo "Trupe Pau a Pique" (2008). Como produção literária, traduziu do espanhol para português dois livros de música: "Brincando com a música" e "Jogando com a música" (Editora Ciranda Cultural/2012). Mais informações: https://m.youtube.com/watch?v=aiMZ6rsqo24 http://esterfreiremusicista.wixsite.com/inicio

Gustavo Assumpção

Gustavo Assumpção

Professor de Prática de Conjunto

Atualmente cursa pós-graduação em Pedagogia Musical, com ênfase em Método Kodaly e em Regência Orquestral. É bacharel em Música, com Halitação em Viola Erudita pela Universidade Estadual Paulista (UNESP), onde estudou com o renomado professor de viola Ricardo Kubala. Durante sua formação, estudou com Renato Bandel (viola), Emerson De Biaggi (viola) e Lutero Rodrigues (regência). Cursou Violino e Viola no Conservatório de Tatuí, na classe dos professores Paulo Bosísio, Carlos Henrrique Blassioli, Raymundo Françani e Donizete Faconi. Ainda no Conservatório de Tatuí, cursou Regência de banda sinfônica e orquestra com o maestro Dario Sotelo. Tem se especializado na área da educação e participado dos principais encontros, simpósios, workshops, palestras e extensões universitárias do país, como: 20º Festival de Músicas nas Montanhas (regência); Extensão Universitária em Ensino Coletivo de Cordas Módulos 1 e 2 (UNESP); III Semana de Educação Musical (UNESP); Arranjo para Quartetos de Cordas (ASSETA); Filosofia do Método Suzuki (Suzuki Association of América – Campinas); Books 1 e 2 do Método Suzuki (Suzuki Association Of America ); III Seminário de Regência do Conservatório de Tatuí; I, II, III, IV Encontros de Cordas do Conservatório de Tatuí. Atuou em diversas orquestras, como: Experimental de Repertório do Theatro Municipal de São Paulo, Sinfônica de Sorocaba, Sinfônica Paulista (Conservatório de Tatuí), Sinfônica de Ourinhos, Sinfônica Nacional Brasileira, Orquestra Magi e Orquestra Filarmônica de Itu (solista). É professor responsável pela Orquestra Sinfônica Jovem do Conservatório de Tatuí desde agosto de 2018. E, desde 2019, maestro da Banda Sinfônica Municipal de Boituva. Desde 2016, atua como regente na Semana Master de Música, à frente da Orquestra Acadêmica B. Também atuou como regente da Orquestra Filarmônica de Itu e da Banda de Lençóis Paulista.

Hudson Nogueira

Hudson Nogueira

Arranjo e Prática de Conjunto

Bacharel em clarinete pela Faculdade Mozarteum, estudou contraponto e composição com Edmundo Villani-Côrtes. Como clarinetista integrou durante sete anos a Banda Sinfônica do Estado de São Paulo, e como saxofonista foi integrante da Banda Savana, com a qual participou de dois CDs (“Brazilian Moviments” e “Arranjadores”). Dentre seus arranjos destacam-se trabalhos no projeto Pró-Bandas (CD Compositores Brasileiros), Banda Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo, Banda Sinfônica do Estado de São Paulo, Banda Savana, quinteto de clarinetes Sujeito a Guincho (CD Die Klarinetmaschine), para o trompetista norte-americano Marvin Stamm, para o saxofonista norte-americano Dale Underwood junto a Banda Sinfônica da CSN. Já escreveu para Beth Carvalho, Nana Caymmi, Ivan Lins e o musical “A Lira da Existência”, de Moraes Moreira. Na área das composições, destacam-se trabalhos para Quinteto de Sopros da Paraíba, quarteto de saxofones Saxofonia, Quinteto D´Elas, Big Band Bissanblass (CD Abracadabra), para o trompetista Fernando Dissenha, para o saxofonista norte-americano Dale Underwood (CD da Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí), quinteto de clarinetes Madeira de Vento (CD Cartografia Musical Brasileira São Paulo), Orquestra Sinfonia Cultura e Fred Mills. Suas obras já foram executadas na Hungria, Rússia, Argentina, Estados Unidos, França e Espanha. Atua como professor de arranjo do Conservatório de Tatuí.

João Guilherme de Figueiredo

João Guilherme de Figueiredo

Violoncelo Barroco, Viola da Gamba e Prática de Conjunto

Nascido em Belém do Pará em 1969, iniciou seus estudos musicais em Petrópolis/RJ, primeiramente no violino e depois no violoncelo. Recebeu suas primeiras aulas da professora Atelisa de Salles. Em 1990 ingressou no Conservatório Real de Haia na classe do violoncelista e gambista Jaap ter Linden, especializando-se em violoncelo barroco e seu repertório. Participou de várias orquestras no Brasil e no exterior, dentre as quais a Orquestra Barroca do Conservatório Real de Haia, De Nederlands Cantorij, Collegium Musicum Nederlandeses, Orquestra Pró-Música do Rio de Janeiro e Orquestra Pró-Música de Juiz de Fora. Tocou em vários países da Europa sob direção de nomes como Sigiswald Kuijken e Ton Koopman. É atualmente professor de violoncelo barroco e música de câmara do Festival de Música Colonial e Música Antiga de Juiz de Fora e do Centro de Estudos Musicais Tom Jobim em São Paulo e também professor de violoncelo barroco e viola da gamba do Conservatório de Tatuí.

José Antonio Pereira

José Antonio Pereira

Música de Câmara e Prática de Conjunto

É mestre em música pelo Instituto de Artes da Unesp (Universidade Estadual Paulista), cujo trabalho acadêmico foi premiado pela Academia Brasileira de Música. Foi aprovado em concurso para professor de práticas instrumentais na Unesp. Foi coordenador musical do projeto da Faculdade de Música na Asseta de Tatuí, aprovado pelo Ministério da Educação em Brasília. Fez cursos de pós–graduação - latu senso - em metodologia de ensino e psico-pedagogia, tendo sido, posteriormente, professor de métodos e técnicas de pesquisa em cursos de pós-graduação. É maestro do Conservatório de Tatuí desde 1975 e da Orquestra de Botucatu desde 1986. Entre seus inúmeros prêmios e apresentações que se destacam estão o Prêmio da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) e a apresentação para o Rei da Suécia em 1985. É artista eclético, atuando nas mais diferentes áreas da música e literatura. Atualmente, é regente da Banda Sinfônica Jovem do Conservatório de Tatuí e professor de música de câmara e prática de conjunto da mesma instituição.

Márcia Braga

Márcia Braga

Música de Câmara e Prática de Conjunto

Professora de Violão, Música de Câmara e Prática de Conjunto É educadora, psicopedagoga, terapeuta familiar e de casais, PLP, professora de violão e de música de câmara. Maestrina carioca de orquestras de violões, é radicada desde menina em Tatuí, onde teve seu primeiro contato com o violão no Conservatório de Tatuí. Faz parte do corpo docente da mesma instituição desde 1982, e nela foi, ainda, uma das criadoras e maestrina, desde 1990, das primeiras orquestras de violões de Tatuí: Corda Toda e Violões & Cia. Estudou e se formou na classe de violão com Pedro Cameron e aperfeiçoou-se principalmente com Henrique Pinto, Carlos Alberto de Carvalho e Geraldo Ribeiro, seu mestre eterno. Seu trabalho didático sempre foi prioritário, nos últimos anos na formação de alunos solistas e na orientação de suas escolhas, muitas vezes estimulando, inspirando-os  a tornarem-se ótimos professores, a tornarem-se cameristas. Como maestrina de orquestras de violões aborda com carinho uma atenção especial aos detalhes e minúcias da interpretação e da ética musical. A Camerata Jovem de Violões está sob sua direção musical desde sua criação em 1991, tendo lançado em 2002 seu primeiro CD, “Carinhoso”. As Cameratas Juvenis existem para preparar o futuro violonista a saber se relacionar não só com partes musicais de outros instrumentos mas com outros artistas músicos (instrumentistas, cantores, coralistas), bailarinos, atores cênicos, plásticos e poetas. Enfim, a saber se relacionar com suas mais variadas famílias artísticas. Na música de câmara trabalha há quase nove anos com outras formações e pela necessidade da demanda dos alunos da área de violão ou por sua experiência em trabalhar duos acabou se fixando em grupos com menor número de participantes (duos, trios, quartetos e quintetos).

Marco Antonio de Almeida Junior

Marco Antonio de Almeida Junior

Prática de Conjunto

Bacharel em euphonium pela Faculdade Mozarteum de SP (Famosp) e formado em regência pelo Conservatório de Tatuí, na classe do maestro Dario Sotelo, iniciou os estudos aos 10 anos com o pai na Igreja Evangélica Assembleia de Deus. Mais tarde passou a ter aulas com o professor Wilson Dias. Enquanto estudante ingressou em diversas bandas paulistas e participou de importantes festivais, oficinas de música, masterclasses e workshops sob orientações de professores de renome internacional, como Steven Mead, Adam Frey, David Childs, Rafael Mendes, Fernando Deddos e Henrique Crespo. Em 2004, aos 15 anos, foi finalista do 6° Premio Weril para Instrumentos de Sopros. Em abril de 2009 foi aprovado como eufonista chefe de naipe junto à Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí. Como músico-convidado atuou junto à Orquestra Sinfônica de Campinas, Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, Orquestra Sinfônica da Unicamp, Orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, Banda Sinfônica do Estado de São Paulo. Enquanto artista-convidado, participou do: 2º Encontro de Tubas Y Eufônios na Argentina (2008); 2ª Conferência de Tubas e Eufônios do Sul, em Porto Alegre (2010); I, II e III Festival Internacional de Metais Carlos Gomes, em Campinas (2009, 2010 e 2011); I Conferência de Música nas  Américas, em Belém do Pará, junto a BSESP (2013); Oficinas Itinerantes do programa Coreto Paulista (2014); II Masterclass de  Euphonium;  projeto Musica nas Escolas –  Barra Mansa RJ. Se tratando de Música de Câmara, faz parte do Sexteto Carlos Gomes, Quarteto Euphonismo e Quinteto Só Metal. Por diversas vezes integrou bancas examinadoras de audições, testes, tanto de âmbito interno como externo e também a nível nacional. Já esteve – enquanto solista - à frente de vários grupos sinfônicos, tais como: Banda Carlos Gomes de Campinas, Banda Sinfônica de Nova Odessa, Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí, Banda Municipal de Americana, Conjunto de Metais do Conservatório de Tatuí e Orquestra Sinfônica de Campinas, em que fez a estreia mundial da obra “Cuatro Intenciones para Tuba, Eufônio e Orquestra de Cordas”. Na trajetória de instrumentista muitas foram suas participações trabalhos especiais. Entre eles: DVD em comemoração aos 15 anos da Orquestra de Sopros Brasileira; DVD em comemoração aos 20 anos da Banda Sinfônica de Sumaré; CD Edições de Partituras para Banda – Funarte; CD em comemoração aos 20 anos da Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí; CD em comemoração aos 25 anos da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo. Como regente convidado atuou frente à Banda Sinfônica do Conservatório de Tatuí, Banda Sinfônica de Nova Odessa; Banda Sinfônica de Sumaré; e Banda Henrique Marques de Limeira. Em 2014, foi aprovado como eufonista junto a Banda Sinfônica do Estado de São Paulo. Participou também em 2014 da Conferência “The Midwest Clinic” em Chicago – EUA. Atualmente atua na Banda Sinfônica de Nova Odessa, Felipe Coelho Octeto e Big Band na Gaveta. É professor de instrumento e regente titular da Banda Sinfônica Infantil e Infantojuvenil no Conservatório de Tatuí.

Marcos Pedroso

Marcos Pedroso

Saxofone e Prática de Conjunto

Spalla da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo, é professor de saxofone e coordenador da Oficina de Performance e Repertório para Saxofones do Conservatório de Tatuí e líder do Saxofonia – quarteto de saxofones, com o qual lançou o CD “Saxofonia”. Pós-graduado em Metodologia do Ensino da Música, há mais de duas décadas desenvolve contínuo e intenso trabalho em pesquisa, ensino e divulgação do repertório original para saxofones, com ênfase na música brasileira. Atuou como professor de saxofone do 29º e 30º Festival de Inverno de Campos de Jordão, 2º e 7º Cursos de Férias do Conservatório de Tatuí, entre outros. Como solista em gravações, participou da coleção “Solos” e do CD “Suíte Tropical” da Banda Sinfônica do Estado de São Paulo. Em concertos, atuou como solista frente aos principais grupos sinfônicos do Estado de São Paulo. Desde 1999 colabora como saxofonista convidado da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo (OSESP), tendo realizado com este grupo três turnês brasileiras e cinco turnês internacionais, tocando em salas como Royal Albert Hall (Londres), Phillarmonie (Colônia), Musicferrein (Viena) e Avery Fischer Hall (USA) e Colón (ARG). Com a OSESP gravou para o selo BIS, três CDs com a integral dos “Choros” de Villa-Lobos, o CD “Floresta do Amazonas”, o DVD “São Paulo Samba” e do CD do trompetista norueguês Ole Edvard Antonsen, colhendo em suas atuações junto à OSESP críticas elogiosas no New York Times e do presidente da gravadora BIS, Robert Von Bahr. Em março de 2013 dividiu com Claude Delangle e Sofia Zumbado o recital de abertura do I Congresso Latino Americano de Saxofonistas realizado na Costa Rica e em outubro realizou sua 5ª turnê internacional com a Osesp. Junto a Erik Heimann organiza o Encontro Internacional de Saxofonistas do Conservatório de Tatuí.

Miriam Candido

Miriam Candido

Canto Coral e Prática de Conjunto

Formada em educação artística com pós-graduação em Psicopedagogia e Educação Musical. Regente de canto-coral, com trabalho voltado ao coro infantil. Foi semifinalista do Concurso Funarte na cidade do Rio de Janeiro, com o coro infantil “Moléculas”. Com o mesmo coro ganhou em primeiro lugar, com o tema “Amor e Infância”, o concurso do 1º Encontro Latino-Americano de Jacareí, além de ter sido semifinalista do Mapa Cultural Paulista (fase municipal). Fez curso com Dulce Leandro, Gisele Cruz, Violeta Gainza, Henry Leck, Marisa Fonterrada, Erik Westemberg e Angelo Fernandes. Atualmente, realiza trabalho vocal na área de Educação Musical do Conservatório de Tatuí e é regente do Coro Infantil do Conservatório de Tatuí, além de atuar na área de Canto Coral da Emesp-SP.