Corpo
Docente

Rodrigo Braz (“Digão”)

Rodrigo Braz (“Digão”)

Bateria e Percussão Complementar

Formado na Fundação das Artes de São Caetano do Sul e Conservatório de Tatuí, tendo como orientadores Sérgio Gomes, Alexandre Damasceno e José Carlos da Silva. Ainda em sua formação, cursou oficinas em São Bernardo do Campo, com André Freitas (bateria) e com Edilson de Souza Rodrigues (percussão). Participou de vários festivais/encontros, dentre os quais se destacam: I Encontro Instrumental de Tatuí (com os palestrantes Cleber Almeida, Eduardo Contrera, Arrigo Barnabé, Carlos Tarcha e Guello), II Encontro de MPB Brasil Instrumental (com os palestrantes Itiberê & Orquestra Família, Eduardo Contrera, Mario Campos, Claudio Leal Ferreira, Nenê, Hamilton de Holanda, Guello, Guinga, Cleber Almeida), IV Brasil Instrumental e I Mostra Brasil Instrumental – Tatuí. Também participou de workshops com João Donato, Arismar do Espírito Santo, Paulo Russo, Gilson Peranzzetta, Silvia Góes, Teco Cardoso, Cláudio Dauelsberg, Maurício Einhorn, Maestro Neves, Monica Salmaso, Thiago do Espírito Santo e Fernando Correa. Foi professor do Festival de Inverno em Ourinhos (2001, 2002, 2004) ministrando aulas de bateria e prática de conjunto. Atua desde 2001 no Conservatório de Tatuí como professor de bateria, percussão complementar e regente da escola de samba, esta última iniciada em 2013. Sobre sua carreira acadêmica, concedeu entrevistas para revistas e/ou blogs como “Música Contemporânea” e “Informação Musical” falando sobre carreira, concepção e direcionamentos da música mundial e brasileira, enfatizando seu foco de trabalho, a música instrumental improvisada. Fez parte do corpo de Jurados do Carnaval das Escolas de Samba de São Paulo (2013 e 2014), no quesito bateria, avaliando os grupos de Acesso e Grupo Especial. Como representante brasileiro, venceu o XX Festival Jazz Plaza (Havana-Cuba) que contou com a participação de Gonzalo Rubalcaba, Egberto Gismonti, Danilo Perez, Horacio Hernandez, Chucho Valdez, entre outros. Como líder de Banda, apresentou-se com o “Rodrigo Digão Convida” tendo como integrantes Fabio Leal, André Marques, Cesar Roversi e João Paulo Barbosa. Atuou no Projeto “sem pensar, nem pensar” com letras de Itamar Assumpção musicadas pelo compositor e educador Sergio Molina. Já dividiu palco ou gravações com Hélio Delmiro, Fernando Corrêa, Vinícius Dorin, Amilton Godoy, Luiz Chaves, Toninho Ferraguti, Toninho Horta, Monica Salmaso, Arismar do Espírito Santo, Thiago do Espírito Santo, Rodrigo Ursaia, Alessandro Penezzi, Laércio de Freitas, Claudio Cruz, Filó Machado, Caíto Marcondes, André Juarez. Teve destaque como músico na revista Batera&Percussão (festival IP&T) realizado em São Paulo e na revista Modern Drummer em duas edições. Como percussionista gravou DVDs das cantoras Wanderléia no Auditório Ibirapuera (DVD “Trinta”), comemorando seus 30 anos de carreira; Patrícia Marx e acompanhando o CoralUSP (Universidade de São Paulo) com o regente André Juarez. Atualmente, toca com Michel Leme, Renato Consorte, Ai Yazaki Quinteto, Conrado Paulino e com os cantores Fabio Cadore, Patrícia Marx e Tetê Espíndola. Desenvolve trabalho em grupo (“Mente Clara”) com dois CDs gravados – “Mente Clara” e “São Benedito” – tendo como foco a música brasileira contemporânea, intitulada “música universal”. Para alicerçar sua música nesse segmento, em 2014, ministrará workshops e fará shows em trio, juntamente com Salomão Soares e Itiberê Zwarg, complementando com a oficina “Feito na Hora”, de Itiberê. Como líder de grupo e pesquisador, está em atividade com três novos trabalhos: Rodrigo Digão Braz Trio, “Juninos do Brasil” e “Carnavais do Brasil”, esses dois últimos trazendo o folclore das respectivas festas para o contexto da música instrumental improvisada. Pensando na melhoria do seu trabalho como educador voltando ao ensino de música, cursa Licenciatura em Pedagogia, pela UNICID.