Secretaria da Cultura
Jornada de Regência Coral do Conservatório de Tatuí
Institucional 6
Institucional 5
Institucional 4
Institucional 3
Institucional 2
Banner Institucional 1

Grupos Pedagógicos

Banda Sinfônica Jovem do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo

Banda Sinfônica Jovem do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo

Formada por alunos dos cursos de sopros e percussão do Polo do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo, este grupo tem como objetivo principal promover o desenvolvimento musical de seus integrantes por meio da prática em conjunto pedagógica, realizada a partir de seleto repertório para Banda Sinfônica. Além dos ensaios e apresentações, os jovens instrumentistas também desenvolvem pesquisas sobre o repertório trabalhado em aula, o que lhes permite conhecer as obras com mais profundidade e, consequentemente, interpretá-las em alto nível técnico-musical.

Professor responsável: Leonardo Gomes de Faria

Leonardo Gomes de Faria

Diplomado em Flauta Transversal pelo Conservatório de Tatuí – SP sob a orientação dos professores Márcia Licatti, Otávio Blóes e Edson Beltrami. Possui ainda os títulos de graduação em Música pela Universidade Vale do Rio Verde – MG e pós-graduação em Docência no Ensino Superior pela Universidade Paulista – SP. Atualmente, na área acadêmica, é aluno especial do programa de pós-graduação em música do Instituto de Artes da UNICAMP, na classe da professora Dra. Adriana Mendes.

Tem desenvolvido intensa atividade na área pedagógica, onde elaborou, como parte de sua tese de conclusão de curso da graduação, o “Método Elementar para a Prática e Desenvolvimento Através do Bocal da Flauta Transversal”, material inédito que auxilia no estudo da Flauta Transversal em diferentes níveis de aprendizado.

Como flautista atuou como solista à frente de diversas orquestras, destacando a atuação ao lado da harpista russa Liuba Klevtsova (OSESP), executando o Concerto para Flauta e Harpa de Mozart – K. 299. Integrou também diversos grupos do Conservatório de Tatuí, entre eles destacam-se a Banda Sinfônica Jovem, Banda Sinfônica, Orquestra Sinfônica Jovem e Orquestra Sinfônica do Conservatório de Tatuí. Foi, durante 8 anos, chefe de naipe e flautista principal da Orquestra Sinfônica de Poços de Caldas – MG.

Participou de vários masterclasses orientados por grandes mestres da flauta como Antônio Carlos Carrasqueira, Renato Axelrud, Rogério Wolf, Maurício Freire, Danilo Mezzadri, Ângela Jones-Reus (EUA), Jean Noel Saghaard (França), Rafaelle Trevisani (Itália), Felix Renggli (França), Pierre-Yves Artaud (França), Michael Hässel (Alemanha), Daniela Troiani (Itália), Michel Bellavance (Suíça-Canadá), Jacques Zoon (Holanda), Jessica Dalsant (Itália), Ian Clark (Inglaterra) e Emmanuel Pahud (Suiça).

Desenvolve também intensa atividade na área da regência, onde participou de cursos e masterclasses com renomados regentes como Dario Sotelo, Cláudia Feres, Jean Reis, Pablo Del’Oca Salla (Argentina), Jorge Perez-Gomez (México-EUA) e Matthew George (EUA). Atuou e tem atuado regularmente à frente de grupos de formação como “Grupo de Cordas e Sopros do Projeto Guri – Polo Aguaí”, “Projeto Banda Escola de Espírito Santo do Pinhal – SP”, “Orquestra Sinfônica de São José do Rio Pardo – SP”, “Octeto de Flautas” e “Banda Sinfônica Jovem do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo”.

Em 2012 participou como “artista convidado” do “III Encontro Internacional de Madeiras de Orquestra” evento realizado pelo Conservatório de Tatuí, onde dirigiu o “Octeto de Flautas”, grupo pedagógico da instituição.

Participa também como professor da Classe de Flauta Transversal em importantes festivais do cenário nacional como “Festival Música nas Montanhas” em Poços de Caldas – MG, “Festival Internacional Música no Pampa” em Bagé – RS, “Festival Internacional Música na Serra” em Lages – SC e “Encontro de Flautistas de Santa Cruz do Rio Pardo – SP”.

Atualmente faz parte do corpo docente do Conservatório de Tatuí – Polo de São José do Rio Pardo – SP, onde ministra aulas de flauta transversal, matérias teóricas, música de câmara e prática de conjunto, e do Conservatório Municipal de Poços de Caldas – MG, onde atua como professor de matérias teóricas, flauta transversal e é flautinista da Banda Sinfônica da instituição, além de desenvolver sólido trabalho como camerista nas mais diversas formações.

Camerata de Violões do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo

A Camerata de Violões do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo é formada especificamente pelos alunos do curso de Violão Clássico que cursam a disciplina de Prática de Conjunto. Nela os alunos tem a possibilidade de fazer música em conjunto com seus colegas, trocar experiências e aplicar seus conhecimentos musicais em outro contexto que não seja somente o do instrumentista solista. O repertório é formado pelos mais diversos gêneros musicais, eruditos e populares, também se enriquecendo através de inúmeras possibilidades de transcrições e arranjos especialmente escritos para o grupo.

Professor responsável: Alberto Guedes Miranda

Alberto Guedes Miranda

Bacharel em Violão pela Universidade Cruzeiro do Sul, teve entre seus principais mestres Luciano César Moraes, Renato Almeida, Paulo Bellinati e Marcelo Brazil. Estudou também na Escola Municipal de Música de São Paulo sob orientação de Celso Delneri. Participou de importantes festivais de música entre eles Seminário Nacional de Violão Vital Medeiros, Seminário Nacional de Violão de Votorantim, Encontro Internacional de Violonistas de Tatuí, Festival Internacional de Violão em Belo Horizonte e Série Guitarríssimo promovida pelo Instituto Cervantes do Brasil, nos quais foi selecionado para ter aulas e masterclasses com Paul Galbraith (Escócia), Eduardo Castañera (Argentina), Miguel Trápaga (Espanha), Sebastian Montes (Chile), Marco Tamayo (Cuba), Anabel Montesinos (Espanha), Juan Falú (Argentina), Henrique Pinto, Fabio Ramazzina, Alexandre Moschella e Mario da Silva. Como violonista, tem atuado em concertos solo no Teatro Grande Otelo (na 2ª Semana do Violão de Osasco), Teatro Ruth Escobar, na série de Concertos Didáticos da Casa de Cultura da Penha (da qual foi idealizador e produtor artístico), na Faculdade Paulista de Artes, na série de Concertos Violões na Catedral e Música na Capela, nos projetos Minuto da Música e Recital Didático promovidos pela Universidade Cruzeiro do Sul e em projetos sociais como o Projeto Guri. Como professor, leciona Violão Clássico no Polo do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo e também é responsável pela Camerata de Violões.

Grupo de Percussão do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo

Grupo de Percussão do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo

O Grupo de Percussão do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo foi criado com o objetivo de inserir os alunos de Percussão Sinfônica no contexto musical em que um grupo desses exige, ou seja, a interação e o contato com diversos instrumentos que fazem parte da rotina de estudos dos alunos no âmbito musical específico de um grupo formado especialmente com estes instrumentos de percussão. Também com a finalidade de se cumprir a grade curricular do curso, o grupo trabalha o repertório característico tradicional deste segmento, culminando com apresentações nos encerramentos de semestres e em situações de relevância quando solicitado pelo conservatório. O principal objetivo é fazer com que os alunos cada vez mais se interajam dentro da pesquisa e execução, fundamentadas no constante estudo e na certeza do domínio das variadas técnicas dos infindáveis instrumentos pertinentes à área.

Professor responsável: Antonio José Grisolia Bortoloto

Antonio José Grisolia Bortoloto

Tom Zé Bortoloto, é natural de Jacutinga, MG, onde iniciou seus estudos musicais de bateria e percussão aos dezesseis anos com Luiz Carlos Morgili. É bacharel em música com habilitação em Bateria pela Faculdade de Música Carlos Gomes em São Paulo, na classe do Professor Ronaldo Palleze. Licenciado também em música pela Universidade Vale do Rio Verde em Três Corações; pós-graduado em Docência do Ensino Superior pela Unig e em Arte em Educação pela Finon. Participou dos Festivais de Inverno em Tatuí nos anos de 1998 e 1999 tendo aulas com Luiz Marcos Caldana, Carlos Tarcha, Rui Carvalho e Javier Calvino; no Festival Ritmos da Terra com Guello. Foi chefe do naipe de percussão da conceituada Banda Filarmônica Cardeal Leme de Espírito Santo do Pinhal, SP, durante seis anos, onde conquistou vários títulos estaduais e nacionais. Também como chefe de naipe, atuou na Banda Sinfônica da Unicamp (Unibanda) por seis anos sob a orientação dos Professores: Carlos Lima, Glória Pereira da Cunha e Fernando Hashimoto. Lecionou Bateria no curso técnico do Conservatório Estadual de Pouso Alegre, MG por 4 anos e na Universidade Vale do Rio Verde, Unincor, por 6 anos. Na Rede Claretiano de Educação, foi tutor online por dois anos e elaborou o material didático da disciplina: Percussão como Instrumento Musicalizador.
Com diversos cursos de especialização em bateria, percussão popular e sinfônica, hoje reside em Poços de Caldas onde é professor de bateria e percussão popular do Conservatório Musical Municipal de Poços de Caldas; professor de percussão sinfônica e orientador do grupo de percussão do Conservatório de Dramático e Musical Dr. Carlos de Campos de Tatuí em São José do Rio Pardo, SP; Chefe do naipe de percussão da Banda Sinfônica do Conservatório de Poços de Caldas e também da Camerata da mesma instituição.
Possui vasta experiência em shows, bailes, concertos e gravações em estúdio e ao vivo, trabalhando e transitando por vários estilos e segmentos musicais, como música mineira, rock progressivo, pop rock, MPB, jazz, fusion etc.
Acompanha atualmente o cantor mineiro Alex Duarte no premiado espetáculo “Cancionêro dos pé de Minas”; é baterista da banda de rock progressivo “Recordando o Vale das Maçãs”, percussionista da “Orquestra de Câmara Vivace” e baterista do quinteto de metais “Jive for Five”. É músico patrocinado pela marca de pratos Orion Cymbals, peles Luen Drum Heads e Hot Line Bags.
Com a “Cia. De Teatro Conscious Dementia” foi congratulado com o Prêmio Benigno Gaiga, da cidade de Poços de Caldas em 2014, pelo espetáculo: Liberdade, liberdade, de Millôr Fernandes.

Grupo de Sopros do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo

O Grupo de Sopros reúne alunos dos níveis iniciante e intermediário dos cursos de Sopros – Madeiras e Metais – do Polo do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo. O repertório trabalhado é variado e visa o desenvolvimento técnico e musical do aluno, preparando-o assim para integrar futuramente grupos maiores e de nível mais avançado. Tem como objetivo motivar os alunos ao aperfeiçoamento das técnicas instrumentais e aprimorar a experiência nas apresentações em grupo.

Professor responsável: Juliano Marques Barreto

Juliano Marques Barreto

Graduado pela UNINCOR, iniciou seus estudos com seu avô, o maestro Ataulpho Marques de Souza, tendo depois estudado com os professores João B. de Paula, Miguel Brito, Ruy Durso, Nahor Gomes e Edgard Batista dos Santos (Capitão).
Participou de Masterclasses de Konradin Groth (Berliner Philharmoniker), Jason Bergman (University of Southern Mississippi), Jose Sibaja (Boston Brass), entre outros.
Foi aluno do Conservatório de Tatuí e em 2004 concluiu o curso de Difusão Cultural em Trompete na Universidade de São Paulo (USP), sob orientação do Prof. Dr. Sérgio Cascapera.
Atuou como músico convidado na Orquestra Sinfônica de Americana, Sinfônica de Pouso Alegre, Orquestra Versatilles (SP), Jazz Sinfônica de São José do Rio Pardo, entre outras. Acompanhou artistas como Jorge Ben Jor, Elba Ramalho, Jair Rodrigues, Peninha, Daniel, Toquinho, Sérgio Reis, Tinoco, etc.Foi professor de trompete em duas edições do Festival Café com Música em Cristina – MG. Durante 20 anos, foi primeiro trompete da Orquestra Sinfônica de Poços de Caldas.
Ministrou Masterclasses no FIMP, em Bagé – RS (2011 e 2015), Festival Internacional Música na Serra, em Lages – SC (2015) e no Conservatório de Tatuí, durante a Semana da Música, em São José do Rio Pardo – SP (2014 e 2015).
Como solista atuou no Festival Música nas Montanhas, FIMP, em Bagé – RS (2011), ao lado de Guigla Katsarava (Paris), solou com a UND Chamber Orchestra e participou como convidado do Musical Diáspora “Klezundheit!”, criado e dirigido por Bob Herman.
Atualmente é Diretor da Divisão do Conservatório Musical de Poços de Caldas, onde também é regente da Banda Sinfônica de Poços de Caldas, Coordenador do Polo do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo, professor do Theatro Municipal de Andradas. Desde 2013, professor adjunto no Festival Música nas Montanhas.

Madrigal do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo

O Madrigal do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo faz parte das disciplinas de Prática de Conjunto. É formado por alunos do Curso de Canto Lírico e por interessados de outros cursos do Polo do Conservatório de Tatuí que queiram ter a oportunidade de prática musical cantada, atividade muito importante na formação de um músico. O Madrigal é um coro de câmara e seu objetivo é preparar repertório variado com fim pedagógico e possibilitar apresentações públicas em São José do Rio Pardo e região. Além da prática de repertório, são aprofundados os trabalhos em leitura musical cantada e em técnica vocal.

Professor responsável: Demerval Keller

Demerval Keller

Mineiro de Teófilo Otoni, teve sua formação musical básica na Academia de Música Arte e Som, filiada ao Conservatório Brasileiro de Música do Rio de Janeiro. É Bacharel em Regência Coral pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, com orientação dos Professores Vilson Gavaldão de Oliveira e Jocelei Bohrer, e Mestre em Música – Práticas Interpretativas em Regência, pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), com orientação do Professor Carlos Fiorini. Estudou Canto Lírico com as Sopranos Lúcia Passos e Gisa Volkmann e com o Barítono Inácio de Nonno. No Rio Grande do Sul, trabalhou com os Coros Municipal de Ivoti, União de Estânica Velha e Fraternidade Feminina Cruzeiro do Sul e foi Professor do Curso Técnico em Música da Escola de Educação Profissional da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil. Em São Paulo, foi Preparador Vocal do Coro do Departamento de Música da Unicamp, Professor do Curso de Extensão em Música Litúrgica da Arquidiocese de Campinas e Regente dos Coros Madrigal Ventos do Sul, Carlos Cristóvão Zink, da Comunidade de Confissão Luterana de Campinas, e Municipal Euclides da Cunha de São José do Rio Pardo. Em seus trabalhos com Música Contemporânea, destacam-se as primeiras audições das peças do compositor gaúcho Fernando Mattos “A morte do leiteiro”, para voz e violão, com texto de Carlos Drummond de Andrade, e “MicroSinfonia”, para Orquestra Sinfônica, composta especialmente para seu Recital de Mestrado, realizado com a Orquestra Sinfônica da Unicamp. Atuou ainda em dois projetos financiados pelo Fundo de Investimentos Culturais de Campinas: na gravação do CD “Bruno Kiefer, Madrigais, Motetos e Canções”, com peças de Bruno Kiefer, tema de seu Mestrado, e na montagem da Ópera “Bastien e Bastienne” de W. A. Mozart, regida pelo Maestro Akira Miyashiro. Foi coordenador do Polo do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo entre junho de 2011 e fevereiro de 2016, reorganizando, nesse período, todas as atividades pedagógicas e artísticas da unidade. A partir da organização dos grupos pedagógicos e de música de câmara, foi responsável por uma extensa agenda de apresentações em São José do Rio Pardo e região. Com o intuito de aproximar ainda mais a comunidade à escola, produziu 5 edições da “Semana da Música”, com concertos, cursos e aulas abertas e gratuitas. Atualmente, leciona Canto lírico, Matérias Teóricas, Coral e Prática de Conjunto no Polo do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo, atua como professor particular de canto e assessor de grupos vocais e ministra cursos especiais de técnica vocal.

Orquestra de Cordas do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo

A Orquestra de Cordas do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo tem como objetivo proporcionar a prática de conjunto, através do aperfeiçoamento da técnica instrumental da experiência em apresentações. O repertório é bastante variado e explora ritmos, sonoridade, dinâmica e afinação, sempre visando a qualidade e bom gosto.

Professor responsável: Akira Miyashiro

Akira Miyashiro

É Bacharel em Música nas modalidades Regência e Violino pela Universidade Estadual de Campinas. Participante de diversos cursos e festivais, já teve aulas com renomados maestros como Carlos Moreno, Osvaldo Ferreira e Roberto Minczuk, na área da regência orquestral, Dario Sotelo, Roberto Farias e Monica Giardini, na área da regência de banda sinfônica, e Hans-Peter Schurz, Erik Westberg e Abel Rocha, na área de regência coral. Além disso, com a professora Lucielena Terribile, desenvolveu estudos teóricos em harmonia, análise e contraponto.
Dentre suas atuações musicais, destacam-se a condução do Madrigal e da Prática Orquestral do Instituto de Artes da Unicamp, da Orquestra Sinfônica da Unicamp e da Orquestra Sinfônica da Universidade Federal do Mato Grosso, além de, em 2007, ter participado do Programa Prelúdio da TV Cultura. Em 2009, junto à Orquestra Sinfônica Jovem de Campinas, montou a ópera ‘Bastien e Bastienne’ de Mozart com recursos provenientes da Secretaria de Cultura de Campinas e, durante o ano de 2010, foi Regente Titular da Orquestra Filarmônica de Itu. De 2003 a 2012 foi Regente Assistente da Corporação Musical Villa-Lobos de Indaiatuba. Em estúdio, participou da gravação do CD “Bruno Kiefer, Madrigais, Motetos e Canções” como Assistente de Direção e do CD “Festa no céu” como violinista. Atuou também como professor de História da Música, Apreciação Musical, Regência e Violino no Curso de Extensão em Música Litúrgica da Arquidiocese de Campinas e como professor de violino e regente da Orquestra Experimental no Conservatório Carlos Gomes de Campinas.

Orquestra de Cordas Infantojuvenil do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo

O grupo de Cordas Infantojuvenil do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo foi criado no ano de 2013 e é formado por crianças dos cursos de violino, viola e violoncelo. Tem como objetivo principal, além da socialização, dar continuidade ao aprendizado musical adquirido nas aulas de instrumento. Este trabalho pedagógico proporciona um contato direto com maneiras diferentes de encarar e interpretar o mundo musical, no qual as crianças estão sendo inseridas.

Professor responsável: Ana Sarah Pereira de Faria

Ana Sarah Pereira de Faria

Iniciou seus estudos musicais aos seis anos de idade no Conservatório Estadual de Música de Pouso Alegre (MG). Teve como professores Henrique Basílio, de violino, formando-se em 2003 e Gleiza Bernardo, de viola, formando-se em 2006. Paralelamente, cursou o Técnico em Piano, formando-se em 2006 com os professores Nélio Porto e Cristiane Buosi. Graduada em Licenciatura em Música com Habilitação no instrumento Violino na Universidade Vale do Rio Verde – UNINCOR, com os professores Juliano Buosi e Álvaro Borges. Atualmente cursa Pós-Graduação em Docência do Ensino Superior pela Universidade Paulista – UNIP. Como instrumentista fez diversos cursos, entre eles destaca-se o curso de inverno da cidade de Clermont Ferrand (França), na classe da professora Mdme. Tomoko Ono, e como violinista de fila da Orchestre Synfonique Amateur “Internoté”, sob regência do maestro Gerard Cognè e da Orchestre du I’ EMMD, da cidade de Thiers, (França), sob regência do maestro Daniel Grimonprez. Participou também de vários festivais e masterclasses sob a orientação de importantes violinistas do cenário nacional e internacional, dentre eles se destacam: Olè Bohn (Noruega), Betina Stegmann (Brasil/Argentina), Nelson Rios, Maria Fernanda Krug, Alejandro Drago (EUA/ Argentina), Doriza de Castro, Eliza Fukuda e Ricardo Amado. Na área pedagógica atuou como professora de violino/viola no Conservatório Estadual de Música de Pouso Alegre/MG, como professora de violino/viola do Conservatório Municipal de Poços de Caldas/MG e como educadora musical de cordas agudas do Projeto GURI – Polo Aguaí. Atualmente é professora de Violino e Prática de Conjunto no Polo do Conservatório de Tatuí em São José do Rio Pardo e atua também como violinista da Orquestra Sinfônica de Poços de Caldas, Orquestra Sinfônica de Pouso Alegre e spalla da Orquestra Sinfônica de São José do Rio Pardo.

Camerata Infantojuvenil de Violões do Conservatório de Tatuí

Em breve mais informações.

Professor responsável: Márcia Braga

Márcia Braga

Professora de Violão, Música de Câmara e Prática de Conjunto
É educadora, psicopedagoga, terapeuta familiar e de casais, PLP, professora de violão e de música de câmara. Maestrina carioca de orquestras de violões, é radicada desde menina em Tatuí, onde teve seu primeiro contato com o violão no Conservatório de Tatuí. Faz parte do corpo docente da mesma instituição desde 1982, e nela foi, ainda, uma das criadoras e maestrina, desde 1990, das primeiras orquestras de violões de Tatuí: Corda Toda e Violões & Cia. Estudou e se formou na classe de violão com Pedro Cameron e aperfeiçoou-se principalmente com Henrique Pinto, Carlos Alberto de Carvalho e Geraldo Ribeiro, seu mestre eterno. Seu trabalho didático sempre foi prioritário, nos últimos anos na formação de alunos solistas e na orientação de suas escolhas, muitas vezes estimulando, inspirando-os  a tornarem-se ótimos professores, a tornarem-se cameristas. Como maestrina de orquestras de violões aborda com carinho uma atenção especial aos detalhes e minúcias da interpretação e da ética musical. A Camerata Jovem de Violões está sob sua direção musical desde sua criação em 1991, tendo lançado em 2002 seu primeiro CD, “Carinhoso”. As Cameratas Juvenis existem para preparar o futuro violonista a saber se relacionar não só com partes musicais de outros instrumentos mas com outros artistas músicos (instrumentistas, cantores, coralistas), bailarinos, atores cênicos, plásticos e poetas. Enfim, a saber se relacionar com suas mais variadas famílias artísticas. Na música de câmara trabalha há quase nove anos com outras formações e pela necessidade da demanda dos alunos da área de violão ou por sua experiência em trabalhar duos acabou se fixando em grupos com menor número de participantes (duos, trios, quartetos e quintetos).

Outros grupos do Conservatório de Tatuí

Agência Digimeta