Institucional 6
Institucional 5
Institucional 4
Institucional 3
Institucional 2
Banner Institucional 1

Assessoria

Pedro Persone
Assessoria Pedagógica

Pedro

​Dr. Pedro Persone nasceu em Tietê, São Paulo, em uma família de origem italiana. Persone iniciou seus estudos no Conservatório de Tatuí, com a professora Maria José Carrasqueira. Foi aluno particular de Roberto de Regina, no Rio de Janeiro. Graduou-se em Cravo pela Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, na classe da Professora Helena Jank.
​Participou de vários cursos com Felipe Nabuco-Silvestre (Brasil/Portugal), Christophe Rousset (França), Emilia Fadini e Rinaldo Alessandrini (Itália).
​Continuando seus estudos na Europa, em 1977 estudou com Huguette Dreyfus na École Nationale de Musique de Bobigny, França. Estudou Cravo e Fortepiano, em 1988, com Jacques Ogg, na Academie voor Oude Muziek, Amsterdam. Seu mais importante estudo foi sob a orientação de Mark Kroll, de quem recebeu a maior influência acadêmica e artística.
​Com bolsa da Fundação Vitae, participou do “Primer Curso de Música Barroca Ciudad de Segovia”, na classe de fortepiano de professor Patrick Cohen (França).
​Persone foi o primeiro a reintroduzir o piano histórico ou fortepiano no circuito musical brasileiro da atualidade durante o ano Mozart 1991. Gravou o primeiro CD com fortepiano no Brasil. Sua discografia conta hoje com sete CDs, quatro editados no Brasil, um nos Estados Unidos e dois em Portugal.
​Para o Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos”, Tatuí foi o criador dos Cursos de Cravo (1985) e de Fortepiano (2008) – sendo este último o primeiro curso de fortepiano da América Latina; nesta instituição foi professor de cravo, fortepiano, práticas interpretativas, música de câmara e baixo continuo de 1985 a 2010. Na mesma escola fundou e dirigiu o Collegium Musicum, orquestra voltada a performance de obras dos períodos barroco e clássico.
​Em 1996, com bolsa de estudos da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – FAPESP –, recebeu seu diploma de Mestre em Artes pela UNICAMP, com sua pesquisa sobre obras “non mesures” para cravo.
​Como cravista e fortepianista, Persone se apresentou em recitais (solo, música de câmara – continuo e obligato – e como solista) em Amsterdam (Países Baixos), Boston (MA), Cambridge (MA), Edinburgh (Escócia), Framingham (MA), Haarlem (Países Baixos), Los Angeles (CA), Miami (FL), Milano (Itália), New York (NY), Paris (França).
​No período de Setembro de 2001 a Maio de 2004 foi professor de group piano (MU 151, MU 152 e MU 153) na Boston University.
​Graças ao suporte oferecido pela Fundação Coordenação de Pessoal de Nível Superior – CAPES –, Persone cursou o doutorado – Doctor of Musical Arts – em Historical Performance na Boston University sob orientação do Professor Mark Kroll. O tópico de sua dissertação é “The Earliest Piano Music: Lodovico Giustini’s (1685-1743) Sonate da cimbalo di piano e forte detto volgarmente di martelletti, Firenze, 1732.” Em 2008 este estudo foi lançado em forma de livro pela editora alemã VDM-Verlag de Saabrücken.
​Entre 2007 e 2010, no Instituto de Artes da Unesp, Persone desenvolveu pesquisa de pós-doutorado com bolsa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo – FAPESP – sobre o tema “A música pianística e camerística composta entre 1790 e 1826 presente na ‘Coleção Thereza Christina Maria’: uma abordagem segundo as práticas interpretativas relacionadas ao período”. A Editora Prismas de Curitiba lançou o livro com os resultados desta pesquisa com o título “O Piano era, então, ainda uma novidade”: A Coleção Thereza Christina e sua performance.
Em 2016 trabalhou seu segundo Pós-Doutorado envolvendo o cravo e o fortepiano nos tempos coloniais junto ao NAP-CIPEM do Departamento de Música da FFCLRP-USP de Ribeirão Preto sob supervisão do Prof. Dr. Rubens Russomanno Ricciardi. Desta pesquisa resultou o capítulo 11, The Harpsichord in Colonial Spanish and Portuguese Americas do The Cambridge Companion to the Harpsichord a ser publicado este ano pela Cambridge University Press.
Persone foi Professor Adjunto da Universidade Federal de Santa Maria – UFSM de 2010 a 2018. Atualmente é Assessor Pedagógico do Conservatório de Tatuí.

 

 

Gustavo Barbosa-Lima
Assessoria Artística

 

 

Gustavo Barbosa-Lima_CDT8388

Iniciou os estudos de clarinete com o professor José Máximo Ribeiro Sanches em 1983.
Em 1985 obteve o Primeiro Prêmio de clarinete no VIII Concurso Jovens Instrumentistas Brasil, realizado em Piracicaba, SP.
Em 1985 também concluiu o bacharelado em clarinete na FAAM – Faculdades de Artes Alcântara Machado, onde foi aluno de Marília Pini e Ricardo Rizek.
Tocou na Orquestra Jovem do estado de São Paulo e na Orquestra Jovem Municipal de São Paulo.
De 1987 a 1993, morou na França onde estudou clarinete com Claude Dessurmont e Pierre Boulanger, ambos da Orquestra de Paris, e com Jérôme Julien-Laferrièire, da Ensemble L’Itinéraire e da Ópera de Paris.
Obteve o diploma de fim de terceiro ciclo do Conservatório do XIII Arrondissement de Paris e o diploma de curso superior da École National de Musique de Aulnay-sous-Bois.
Em 1991, conquistou o Primeiro Prêmio de nível superior e o segundo prêmio de nível Excelência do Concurso Internacional de Música da Fundação Leopold Bellan, de Paris.
Fez o Curso de música eletroacústica do GRM (grupo de pesquisas musicais) de Paris e assistiu a inúmeras palestras no IRCAM.
Nesse período lecionou clarinete e música de câmara, como professor substituto, em diversas escolas da região parisiense tais como a Escola Nacional de Música de Romainville.
Trabalha regularmente com Improvisação Livre desde 1998.
Participou do Espetáculo Multimídia “Nós”, com Lívio Tragtenberg, no Memorial da América Latina.
Em 2000, lançou o CD “Duoportal – Música de um povo imaginário”, com José Renato Gimenes. O trabalho, produzido por André Abujamra, tem repertório autoral a partir de Improvisações com instrumentos rústicos de sopro e percussão. Com o Duoportal, entre 1998 e 2007, fez mais de cem apresentações, além participar de trilhas de Filmes (“Bicho de Sete Cabeças”, “Castelo Ra-tim-bum”), espetáculos de dança, documentários e peças de teatro.
De 2001 a 2003, foi clarinetista na Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo.
Foi Professor de Clarinete nos Festivais de Música de Ourinhos – SP, Bragança Paulista – SP e Campina Grande – PB.
Foi Assistente da Coordenação Pedagógica do Festival Internacional de Inverno de Campos do Jordão, em 2004 e 2005.
Coordenou a Escola de Música da Fundação Cassiano Ricardo, projeto pedagógico da ULM – Universidade Livre de Música do Estado de São Paulo, em São José dos Campos, de 2006 a 2008.
De 2000 a 2016, foi Professor de Clarinete, Música de Câmara e, posteriormente, de Improvisação Livre na EMESP – Escola de Música do Estado de São Paulo, onde formou inúmeros clarinetistas que atuam em diversas orquestras profissionais, tais como:
-​Jonatas Bueno: primeiro clarinete da Filarmônica de Minas Gerais
-​Thiago José Garcia: primeiro clarinete da Orquestra Sinfônica da USP e da Orquestra Filarmônica Bachiana.
-​Anderson Meneses: clarinetista e claronista da Orquestra Jazz Sinfônica do Estado de São Paulo
-​Renata Garcia, Leonice dos Santos e Francisco das Chagas Júnior: clarinetistas da Banda Sinfônica do Exército Brasileiro
-​Felipe Marcelino dos Reis: clarinetista da extinta Banda Sinfônica do estado de São Paulo.
Como professor de música de Câmara formou diversos quintetos de Sopro que representavam a EMESP em apresentações oficiais e nas visitas de diretores e professores de escolas internacionais.
Frequentemente realizava ensaios da seção de sopros da Orquestra Sinfônica Jovem, Orquestra Tom Jobim e da Banda Jovem do Estado de São Paulo. Também participou com frequência dos testes de seleção dos grupos citados.
Em 2011, formou e preparou um quarteto exclusivamente com seus alunos alunos de clarinete para participar do Concurso Nacional de Música de Câmara “Pré-Estreia”, da TV Cultura de São Paulo. O quarteto obteve o 1º Prêmio.
Seus ex-alunos de clarinete Filipe dos Santos Esteves e Gustavo Nunes conquistaram o Prêmio Principal do Concurso Ernani de Almeida Machado, promovido pela Orquestra Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo, respectivamente em 2015 e 2016.
De 2003 a 2013 foi coordenador da área de Sopros de madeira.
De 2014 a 2016, foi Coordenador da Área Erudita da EMESP. Este trabalho de coordenação incluiu além do acompanhamento das aulas de instrumento, a programação e acompanhamento de música de câmara, cursos livres, práticas coletivas, master classes, workshops, concursos, processo de avaliação anual e processos seletivos, sempre relacionados à música erudita.
Palestrante nos Simpósios Nacionais de Clarinete, USP 2014 e UNESP 2015.
Faz Trilhas ao Vivo para filmes mudos. Apresentou-se na Cinemateca Brasileira (2007 a 2011), MIS, Centro Cultural Banco do Brasil, SESC Pinheiros, Centro Cultural São Paulo. Fez música para Espetáculos da Companhia Danças, SP.
Em 2010, representou o Brasil na Jornada de Cinema Mudo, em Pordenone – Itália, o maior festival do mundo nesse gênero, onde executou sua composição para o filme “Na trilha do Eldorado”, de Silvino Santos, utilizando clarinete, eletrônica “live”, viola de cocho, percussão e flautas.
Em 2012 e 2013, participou do Trio Matisse, com Sarah Hornsby – Flauta e Hermes Jacchieri – Piano. Apresentações com Repertório Erudito Francês, no MASP, SESI e PROJETO GURI.
Em 2014, junto com Daniel Murray e Emiliano Castro – Trio Sopro e Cordas, apresentou Música Instrumental Brasileira no MIDEM (Cannes) e Paris.
Fez Pós-graduação em Administração de Empresas na FIA – Fundação Instituto de Administração – SP.
Atualmente, Compartilha Online o conhecimento e a experiência adquiridos em 42 anos de prática musical e 28 anos de ensino e explora um novo Instrumento, Sopro Digital EWI, nos trabalhos de Criação em Home Studio.

Agência Digimeta