Secretaria da Cultura
XII CONCURSO INTERNO DE PIANO DO CONSERVATÓRIO DE TATUÍ – EDIÇÃO 2017
Jornada de Regência Coral do Conservatório de Tatuí
Institucional 6
Institucional 5
Institucional 4
Institucional 3
Institucional 2
Banner Institucional 1
Conservatório Dramático e Musical de Tatuí

Matérias Teóricas

A área de Matérias Teóricas engloba teoria e percepção infantil, teoria e percepção adulto, harmonia, contraponto, análise e história da música.
Não se concebe que um poeta, um jornalista, ou um romancista não dominem as regras gramaticais da língua portuguesa. Da mesma forma não é aconselhável que o músico não conheça os fundamentos de sua arte. Estes fundamentos incluem o domínio de instrumento, mas também o domínio da gramática, da teoria musical, desde seus elementos mais simples, até os mais profundos. A área de matérias teóricas do Conservatório de Tatuí tem por missão fornecer aos alunos da escola as ferramentas que lhe permitirão desenvolver seus talentos de maneira completa.
Teoria e Percepção – Curso oferecido em seis semestres, cujo objetivo é a formação básica do aluno, desde a teoria elementar da música, incluindo a notação musical, a classificação de intervalos, a leitura em várias claves, até conhecimentos mais avançados, que permitam ao discente realizar o curso de harmonia e contraponto com sucesso. De grande importância durante o curso é a percepção. O conhecimento teórico abstrato não é suficiente para a formação do músico profissional. Esta disciplina é pré-requisito para frequentar Harmonia, Contraponto, História da Música e Análise.
Harmonia e Contraponto – Cursos com duração de quatro semestres que pretendem que o aluno adquira conhecimento e domínio sobre os fundamentos da escrita musical tonal, assim como a compreensão e utilização didática e prática. Em qualquer área da produção humana as ferramentas certas e conhecidas facilitam o trabalho além de propiciar o conhecimento de como usá-las. E, já dizia Igor Stravinsky, “é necessário conhecer a fundo as regras para saber com autoridade onde, quando e como se pode, se deve ou se quer quebrá-las”. O curso de Harmonia é pré-requisito para frequentar Contraponto e Análise.
História da Música – Curso oferecido em seis semestres com objetivo de oferecer ao aluno informações sobre os diversos estilos musicais, e estabelecer relações entre a música e a sociedade em que ela foi produzida.
Análise Musical – Com duração de quatro semestres, são oferecidos enfoques para o estudo de conteúdo técnico (material acústico), ambientação psicossociológica inserida no contexto a ser analisado, visão sobre os processos neurológicos que dão suporte à produção, interpretação e consumo do item a ser analisado.

Fúlvio Ferrari

Fúlvio Ferrari

Coordenação, Harmonia e Contraponto

Pianista, compositor e professor. Natural de São Paulo, formou-se no Conservatório Musical Mário de Andrade e na FMU-FAAM, tornando-se bacharel em música com habilitação em piano. Seguiu seus estudos aperfeiçoando-se em várias áreas do conhecimento musical, tendo como seu principal orientador o pianista e compositor Amaral Vieira. Como instrumentista, ao piano e teclados históricos, apresenta-se regularmente como camerista e recitalista com um variado repertório. Suas composições para várias formações têm sido realizadas por renomados artistas. Atualmente faz parte do corpo docente do Conservatório de Tatuí, como coordenador da área de matérias teóricas e professor da área de performance histórica.

Ana Paula Zambon Gambini

Ana Paula Zambon Gambini

Teoria e Percepção Infanto-Juvenil

Formada em Canto Lírico pelo Conservatório de Tatuí, integrou os corais Da Boca Pra Fora e Coro de Câmara do Conservatório de Tatuí, sob regência do maestro Cadmo Fausto (2002 a 2008). Com os coros teve a oportunidade de se apresentar em locais de grande importância no cenário musical como o Festival de Inverno de Campos de Jordão, o Memorial da América Latina (SP) e Teatro Procópio Ferreira (Tatuí). Estudou Canto na Escola Municipal de São Paulo (Tom Jobim-SP) sob orientação do professor Marcos Thadeu. Participou de importantes wokshops entre eles Técnica Vocal para Cantores com Mariana Cioromila (Romenia); Canto com Débora Letícia (Brasil); Canto Coral Infantil com Lilia Valente; IV Encontro Brasileiro de Canto organizado pela professora-dra. Martha Herr em São Paulo, entre outros. Como cantora tem se dedicado ao estudo de repertório de música brasileira. Formada em pedagogia pela UniSEB e cursando Licenciatura em Educação Musical (UFSCAR), atua desde 1998 como Educadora Musical (Musicalização e Canto-Coral infantil) em Araras (SP) no Colégio Monteiro Lobato (Educação Infantil e Ensino Fundamental I e II). É Coordenadora Pedagógica/Musical da Escola de Música Carlos Viganó (projeto pertencente à Cooperativa de Música Maestro Francisco Paulo Russo, mantida pela Prefeitura Municipal de Araras-SP), onde também ministra aulas de Técnica Vocal e Teoria, desde 2010. Professora de Teoria e Percepção Infanto-Juvenil no Conservatório de Tatuí.

Darli Margarete Ventura Paulillo

Darli Margarete Ventura Paulillo

Teoria e Percepção

Formada em regência pela Unicamp, e piano erudito. Estudou também flauta transversal, fagote e percussão. Foi aluna do maestro e compositor Ernst Mahle na Escola de Música de Piracicaba. Atuou como fagotista da Orquestra Sinfônica Jovem do Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos” de Tatuí. Desde 1999 trabalha no Núcleo de Educação Musical Infantil do Conservatório de Tatuí na área de musicalização a partir dos três anos de idade, e na Prática Infantil de Música em Conjunto para crianças de seis a 12 anos de idade. Em 2002, publicou, em parceria com a professora Irene Almeida, o livro “A Arte de Musicalizar” incluindo um CD, como parte do projeto de capacitação de educadores. Também ministra, juntamente com a professora Irene Almeida, workshops e oficinas de Musicalização Infantil para Educadores. Em 2003, participou da equipe de professores do 34º Festival de Inverno de Campos do Jordão, a convite da Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo.

Débora Ribeiro

Débora Ribeiro

Teoria e Percepção

Tem formação musical em Flauta Doce pelo Conservatório de Tatuí, pós-graduação - Lato Sensu em Aperfeiçoamento sobre o “Método Kodály” pelo Instituto de Artes da Unesp (Universidade Estadual Paulista) e Curso de Extensão Universitária da Universidade de Verão “Dunakanyar” (Esztergom - Hungria) sobre o “Método Kodály”, promovido pela Dunakanyar Müvèszeti Nyári Egyetem. Participou de cursos, festivais e oficinas de música, como I e V “Curso Internacional sobre o Método Kodály”, ministrado pela professora Maria Ördög (Hungria); Curso de “Comunicação, Educação e Arte na Cultura Infanto-Juvenil”, ECA-USP; “Oficina de Música II”, Curso de “Música Antiga” e “Dança Antiga”, ministrado pelo professor Helder Parente em Curitiba/PR; IV “Festival de Música de Londrina”, Curso de “Flauta Doce”, ministrado pelo professor Helder Parente, Curso de “Prática de Música Antiga”, ministrado pelos professores Roberto de Regina e Eunice Brandão. Participou também de cursos ministrados pelos professores José Eduardo Gramani, H. J. Koellreutter e Theophil Maier. Atualmente é professora e coordenadora da área de performance histórica no Conservatório de Tatuí, além de lecionar Flauta Doce na Escola Municipal Livre de Música de Itapetininga.

Luciano Pereira

Luciano Pereira

História da Música e Teoria e Percepção

Iniciou seus estudos musicais em Capivari/SP, sua cidade natal. É formado pelo Conservatório de Tatuí e diplomado pelo Instituto de Artes da UNESP. Dentre seus mestres estão Ely Jacob Hessel, Joel Barbosa, Sérgio Burgani, Luis Antonio Montanha e Walter Boeykens (Bélgica). Como camerista, obteve Menção Honrosa no II Concurso Internacional Honorina Barra (Curitiba/PR) na categoria música de câmara. Fez especialização, entre 2003 e 2006, na ECA-USP, em clarinetes históricos, desenvolvendo intenso trabalho de pesquisa e performance em instrumentos de época, sob a orientação da Prof.ª Mônica Lucas. Desde 2004 integra o Sexteto Harmoniemusik, único grupo no Brasil especializado na harmoniemusik, denominação pela qual era conhecida a música para sopros do século XVIII. Participa frequentemente de concertos e gravações de CDs com diversos grupos especializados na performance histórica, além do Sexteto Harmoniemusik, também a Orquestra do Festival de Juiz de Fora/MG, o grupo Americantiga, a Orquestra da Companhia de Ópera Juventus Lyrica (Buenos Aires/Argentina). A convite de FUNARTE/MinC atuou como professor de clarinete nos Painéis Funarte de Bandas de Música, nas cidades de Porto Velho/RO e Goiânia/GO e Bananeiras/PB. É Mestre em Música pelo Instituto de Artes da UNICAMP, sob a orientação da Prof.ª Helena Jank. Sua dissertação versa sobre a interpretação historicamente orientada da música do século XVIII, no clarinete histórico, bem como o emprego da linguagem antiga em clarinetes modernos. Por conta deste trabalho, é frequentemente convidado a dar palestras e masterclasses em diversas instituições de música no Brasil, tais como Conservatório de Tatuí, USP, UNESP, UFSM, Universidade de Passo Fundo (RS), entre outras. Como freelancer atua em orquestras como a Sinfônica de Rio Claro, Sinfônica de Ourinhos e Camerata Paulistana. Leciona História da Música, Teoria/Percepção Musical e Clarinete no Conservatório de Tatuí e, atualmente recebe orientações do Prof. Edmílson Nery.

Luiz Marchetti

Luiz Marchetti

História da Música e Teoria e Percepção

Graduado em Composição e Regência, é Mestre em Musicologia pela Universidade Estadual Paulista (UNESP). Especializou-se na BachAkademie em Stuttgart (Alemanha). Estudou viola com George Kiszely e canto com Caio Ferraz. Como cantor integrou o Coral Paulistano do Teatro Municipal de São Paulo. De 1993 a 2008 atuou como professor de História da Música e Percepção na extinta Universidade Livre de Música, onde também foi coordenador da área de matérias teóricas entre 2000 e 2007. Foi maestro assistente da Orquestra Sinfônica Jovem do Estado de S. Paulo, tendo dirigido inúmeros concertos na Capital e interior do Estado. Em 2000 atuou como maestro preparador da orquestra que acompanhou o Westminster Choir Cathedral no Teatro Municipal de São Paulo. Como regente coral destacou-se com com os grupos Schola Cantorum (prêmio APCA em 1995) e o Coral da Faculdade Ibero-Americana, com o qual gravou dois cd’s e participando de montagens de óperas em parceria com a Orquestra Sinfônica de Santo André. Atualmente é professor da Faculdade Cantareira, da Universidade de Sorocaba (UNISO) e do Conservatório Musical de Tatuí, além de regente do Madrigal Vivarte.

Luiz Rafael Moretto Giorgetti

Luiz Rafael Moretto Giorgetti

Teoria e Percepção

Mestrando em Música pelo Programa de Pós-Graduação do Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (IA-Unesp/ SP) na área de Musicologia/ Etnomusicologia/ Educação Musical com tema voltado à Teoria e Percepção Musical. Possui pós-graduação em Metodologia do Ensino na Educação Superior/ Especialização Lato Sensu (2013) pela UNINTER (Curitiba/ PR); Bacharelado em Instrumento - Violão Erudito (2004) sob orientação dos violonistas Cláudio Corradi e José Marcelo Martins; e Licenciatura em Educação Musical (2009), ambos pela Universidade do Sagrado Coração (USC/ Bauru - SP), onde também cursou piano complementar. Tem experiência na área de artes, com ênfase em Música, atuando principalmente no campo da Teoria/Percepção Musical, Harmonia e violão. Em 2015, apresentou trabalho oral no 5º Simpósio Internacional de Linguagens Educativas da USC, abordando a seguinte proposta: “Apontamentos Sobre a Disciplina de Percepção Musical no Ensino Superior de Música”.  Foi contemplado com um projeto musical (ensino coletivo de violão) aprovado pelo Ministério da Cultura, por meio da Lei federal de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet).  Atualmente leciona Teoria e Percepção Musical na área de música erudita do Conservatório Dramático e Musical Dr. Carlos de Campos de Tatuí, onde também estudou no curso de MPB/Jazz. Foi professor de Violão e Teoria/Percepção pela Prefeitura Municipal de São Manuel (1999-2008). Nos anos de 2010 e 2011 foi contratado pela Associação Amigos das Oficinas Culturais do Estado de São Paulo para ministrar dois cursos voltados ao ensino coletivo de violão. Lecionou na Associação dos Amigos do Projeto Guri (AAPG) de agosto de 2009 a março de 2013, as seguintes disciplinas: Fundamentos da Música (Teoria/Percepção) e Violão. Classificado em primeiro lugar como professor de ensino básico da disciplina “Arte” no município de Areiópolis-SP, onde foi funcionário público entre os anos de 2009 e 2015. Concluiu como aluno especial da Pós-Graduação (Mestrado) da Unicamp as disciplinas Tópicos Especiais em Composição/Arranjo (2006) e Música e Tecnologia (2014), com os professores Dr. Rafael dos Santos e Prof. Dr. José Eduardo R. de Paiva respectivamente. Já atuou como solista e também acompanhando cantores. Participou de vários festivais e workshops, entre eles Festivais de Ourinhos e do Conservatório de Tatuí.  Como premiação, conquistou em 2001 o 3º lugar no XX Concurso Latino Rosa Mística de Música Curitiba/PR de Violão Erudito (Grupo 3 – Adulto).

Madalena Romagnolo

Madalena Romagnolo

Teoria e Percepção

Na área da música tem como formação extracurricular cursos de extensões universitárias relativos às áreas de piano, regência, teoria e percepção, história da música, música antiga e contemporânea. Foi discípula de Eleazar de Carvalho, Ernest Mahle, Osvaldo Lacerda, Lutero Rodrigues, Diogo Pacheco. H.J. Koellreutter, João Carlos Martins, José Carlos do Amaral Vieira, Roberto de Regina, Peter Feutchawanger, Bohumil Med e Magda Tagliaferro. Conquistou premiações em concursos de piano como Concurso Francisco Mignone, Concurso Yves Rudner Schimidt (I), Concurso Clarisse Leite (II e III), Concurso Interno de Piano (III e IV), Concurso Jovens Instrumentistas do Brasil (III e IV), e outros. Possui habilitações profissionais em piano, graduação em educação artística (licenciatura plena), pós-graduação em pedagogia e psicopedagogia Institucional. Atualmente, pertence ao corpo docente do Conservatório de Tatuí, atuando na área de Teoria e Percepção.

Marcos Nascimento

Marcos Nascimento

Teoria e Percepção

Educador musical graduado pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), formado em Regência Coral e Canto Lírico com aperfeiçoamento em canção brasileira pelo Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos”. Dando continuidade em seus estudos de pós-graduação como aluno especial de mestrado, em 2015 cursou no Instituto de Artes da UNICAMP, a disciplina de Práticas Interpretativas: “Canto: técnica, interpretação e pedagogia", com o professor Ângelo José Fernandes. Foi aluno de Mariana Cioromilla, Sueli Freitas e Benito Maresca. Em 2014 concluiu os 3 módulos do curso “Performer da Ópera”, na Universidade Cruzeiro do Sul, ministrado pelas professoras Cristine Bello Guse e Marilane Bousquet. Tem participado ativamente de cursos de aperfeiçoamento em Canto Lírico, Percepção Musical, e Regência Coral com professores renomados do Brasil e exterior tais como Walter Chamun, Giorgette Jounelle, Ângela Barra, Laura de Souza, Lício Bruno, Celine Imbert, Martha Herr, Francisco Campos Neto, Alzeny Nelo, Rosemeire Moreira, Marco Lucado, Bohumil Med, Ronaldo Silva, Enny Parejo, Cadmo Fausto, Abel Rocha, Edmundo Villani-Côrtes, Rui Paulo Teixeira, Oscar Escalada, Sergio Vasconcellos Correa, entre outros. No Conservatório de Tatuí, atua como professor de Canto Lírico e Matérias Teóricas. Na área de percepção musical desenvolve atividades de pesquisa, tendo como base a audiação e o desenvolvimento vocal. Foi integrante do Coro Sinfônico do Conservatório de Tatuí, por treze anos, atuando como coralista e solista, em apresentações de obras de grande repercussão como Carmina Burana de Carl Orff, a Sinfonia nº 9 em ré menor – op 125 de L. V. Beethoven, A Criação de J. Haydn, Vesperae Solemnes de Confessore – KV 339 de W. A. Mozart, Missa de Requiem em D menor – opus 48 de Gabriel Fauré, dentre outras, em importantes salas de concerto do país como Sala São Paulo, Auditório Cláudio Santoro (Festival de Campos do Jordão), Teatro da UNIMEP em Piracicaba, Teatro Politheama em Jundiaí, Teatro Theotônio Villela em Sorocaba, Teatro Procópio Ferreira em Tatuí, dentre outros. Integra o Núcleo de Ópera do Conservatório de Tatuí com o qual, em 2013, realizou montagem da ópera “Bastião e Bastiana” de W. A. Mozart, tendo atuado ativamente na produção do espetáculo. Atuou como coralista das óperas Dido e Eneas de Henry Purcell, Orfeo ed Euridice de Christoph Willibald Gluck e Orfeo no Inferno (Orphée aux enfers) de Jacques Offenbach. Participou como solista junto à Orquestra do Conservatório de Tatuí nos concertos Messe – opus 147 de R. Schumann, Messiah – HWV 56 de G. F. Händel, Missa Brevis in G Major – KV 140 e Requiem KV 626 de W. A. Mozart. Em 2010 apresentou o recital “Serenata” com canções do compositor Fúlvio Ferrari, e em 2013 apresentou o recital para piano e voz “Dichterliebe” – opus 48 de Robert Schumann na programação do “V Prêmio Incentivo à Música de Câmara do Conservatório de Tatuí”.

Moacir José Dondelli Paulillo

Moacir José Dondelli Paulillo

História da Música

Graduado pela Unicamp (Universidade Estadual de Campinas). Atualmente é professor da Faculdade de Tecnologia de Tatuí e de matérias teóricas no Conservatório de Tatuí. Tem experiência na área de artes, com ênfase em música. Em 2008, frequentou dezenas de cursos, entre eles o de pedagogia e audição musical ativa (Colégio Vértice); Abordagem Pontes na Formação de Professores de Música pela Associação Brasileira de Educação Musical; além de Método de Ensino Coletivo para Sopros (Conservatório de Tatuí); Introdução à Psicomotricidade (Conservatório de Tatuí), entre outros. Participou de dezenas de eventos, tais como Coreto Paulista - Oficinas Técnicas Itinerantes para Maestros e Músicos de Banda (professor de Método de Ensino Coletivo para Sopros e Percussão e Introdução à Regência – 2010); III Encontro de Educação Musical – UNICAMP (2010); Congresso de Educação Musical Willems (2009); XVII Encontro Anual da Associação Brasileira de Educação Musical (2008); Pró Bandas - Programa de Apoio às Bandas (2007); Curso de Musicalização Infantil para Educadores (2005), entre vários outros.

Sueli Poppi

Sueli Poppi

Canto Coral

Licenciada em arte com habilitação em música pela Unesp (Universidade Estadual Paulista), completou sua formação com pós-graduação lato sensu em metodologia de ensino. Iniciou sua carreira como professora no Conservatório de Tatuí em 1978. Atuou como professora de canto coral e, atualmente, trabalha com harmonia e contraponto. Além de sua atuação no Conservatório de Tatuí, também é professora de arte na rede estadual de ensino do Estado de São Paulo.

Tânia Tonus

Tânia Tonus

Teoria e Percepção

Natural de São Paulo é graduada pela FMCG (Habilitação- Piano) onde obteve, mediante concurso, bolsa de estudo integral. Teve como professores particulares, durante seus estudos de piano erudito, Beatriz Balzi e Marisa Lacorte. Na sua formação acadêmica (área erudita e popular) estão Escola Municipal de Música de São Paulo, Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos” de Tatuí (onde foi aluna de Paulo Braga, piano popular, prática de big band, combo e trio com Paulo Flores e arranjo com Mario Campos), Fundação das Artes de São Caetano do Sul, Conservatório Musical Marcelo Tupinambá (curso de Órgão erudito com Annita Sales), Escola Magda Tagliaferro e USP (curso livre de Música Contemporânea com Beatriz Balzi e Dante Grela), Escola Livre de Música Novo Tempo (História do Jazz com Carlos Calado) e atualmente como aluna especial do mestrado da UNESP-IAP. Atuou como pianista no musical “Candide”, e foi integrante da Banda Instrumental “Alamiré”, duo de jazz Piano-Voz com a cantora Cynthia Tignor Borgani, além de atuar como pianista popular em big band, trio de jazz e outras formações trabalhando com música instrumental popular. Como professora de música atua no ensino há mais de 20 anos. Lecionando piano em diversas escolas em São Paulo e como professora de estruturação e percepção musical (erudita e popular) na Universidade Livre de Música Tom Jobim (ULM) de 2000 a 2008, assumindo nos anos de 2007 e 2008 o cargo de coordenadora do departamento de estruturação a convite do então Diretor Pedagógico e Coordenadora Pedagógica (Arcádio Minczuk e Aida Machado). Atualmente como professora do Conservatório de Tatuí (desde 2009) desenvolve trabalho na área de percepção popular e erudita.

Agência Digimeta