Institucional 4
Institucional 3

Conservatório de Tatuí realiza 1º Encontro de Orientação Profissional

Com participação dos convidados André Micheletti, Badi Assad, Laila Garin e Ney Piacentini, o evento convida estudantes e profissionais de música e artes cênicas para dialogar sobre as perspectivas e os desafios de se construir uma carreira de sucesso

Conservatório de Tatuí realiza 1º Encontro de Orientação Profissional

27/08/2021

O Conservatório de Tatuí – instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Governo do Estado de São Paulo, considerada a maior escola de música e teatro da América Latina, realiza, nos dias 31 de agosto e 9 de setembro, o 1º Encontro de Orientação Profissional. Voltado a estudantes e profissionais de música e artes cênicas, o evento reunirá artistas consagrados para dialogar sobre as perspectivas e os desafios de se construir uma carreira de sucesso no mercado cultural. Os convidados desta primeira edição são André Micheletti, Badi Assad, Laila Garin e Ney Piacentini. O evento é gratuito e terá transmissão ao vivo em mídias sociais.

De acordo com Claudia Freixedas, superintendente educacional da Sustenidos Organização Social de Cultura, OS gestora do Conservatório de Tatuí, o evento foi idealizado para oferecer aos alunos(as) e ex-alunos(as) da instituição um Encontro para abordar a necessidade de se organizar e se preparar para a construção de uma carreira sólida e bem-sucedida no mercado de trabalho. “Para isso, convidamos quatro artistas já consagrados das áreas de música e artes cênicas. São profissionais renomados, com carreiras consolidadas e que têm muito para compartilhar com quem está dando os primeiros passos na construção da carreira. O Conservatório de Tatuí, com seus 67 anos de atuação, é internacionalmente reconhecido pela qualidade e excelência de ensino que oferece. E a Sustenidos entende que oferecer oportunidades de refletir sobre carreira e mercado de trabalho deve fazer parte desta formação profissional oferecida a seus alunos e alunas, a fim de ampliar as possibilidades de caminhos a serem trilhados no futuro”, destaca.

O Encontro começa na próxima terça-feira, 31 de agosto, com Badi Assad e Ney Piacentini. E continua no dia 9 de setembro, com André Micheletti e Laila Garin. Alunos(as) e ex-alunos(as) do Conservatório de Tatuí podem inscrever-se para interagir com os convidados e convidadas na sala virtual. Como as vagas são limitadas, os bate-papos também serão transmitidos ao vivo em nosso canal no Youtube.

 

ANDRÉ MICHELETTI

Natural de Piracicaba, André Micheletti tem duplo doutorado pela Indiana University em violoncelo e violoncelo barroco sob a orientação de Helga Winold, Nigel North e Stanley Ritchie, tendo aulas particulares e master classes com Janos Starker. Foi bolsista da CAPES-Fulbright em seus doutorados. É mestre em Violoncelo e Pedagogia do violoncelo pela Northwestern University em Chicago, sob orientação de Hans Jörgen Jensen, e Bacharel em violoncelo pela Unicamp, sob orientação de Antonio Lauro del Claro.

Foi diretor artístico e pedagógico do Festival Internacional de Música Erudita de Piracicaba (2011 e 2012). Foi professor na escola da Columbus Indiana Philharmonic Orchestra e da Unicamp, além de coordenador pedagógico e professor de violoncelo do projeto “Cidadão Musical” na cidade de Paulínia (2010 a 2012).

Também foi concertino da Columbus Indiana Philharmonic Orchestra, concertino da Orquestra Sinfônica do Teatro Municipal de São Paulo e primeiro violoncelo da Camerata Fukuda e da Orquestra de Câmara da Unesp.

Como solista, fez a primeira audição do concerto para violoncelo e orquestra de Edimundo Vilani Côrtes e apresentou-se frente à Orquestra Sinfônica de Heliópolis (Baccarelli), Orquestra Sinfônica de Campinas, Orquestra Sinfônica de Belém (Pará), Orquestra Experimental de Repertório, Camerata Fukuda, Orquestra de Câmera da Unesp, Orquestra Sinfônica Jovem do Estado de São Paulo, North Shore Chamber Orchestra (EUA), Bach Gamut Ensemble (EUA), entre outras.

Como recitalista e camerista, tem atuado no Brasil, Argentina, Alemanha, Estados Unidos e Canadá. Com instrumento de época (violoncelo barroco), foi finalista do Concours Etoile-Galaxy, de Montreal com o Trio Vetruviani e semifinalista da competição “À Tre”, em Trössingen, Alemanha.

Em 2009, foi vencedor do Concurso de Música da Espanha e América Latina, promovido pela Embaixada da Espanha nos Estados Unidos e pelo Centro de Música Latino-Americana da Indiana University, com o Trio Micheletti.

É coordenador pedagógico e professor do Instituto Fukuda. Em 2012, assumiu a presidência da Associação Amigos Mahle. No segundo semestre de 2015, assumiu o posto de professor de violoncelo e música de câmara do Departamento de Música da FFCLRP-USP.

 

BADI ASSAD

Nos palcos, a brasileira Mariangela Assad Simão, conhecida como Badi Assad, revela-se uma das artistas mais completas e virtuoses de sua geração. Encantadoramente, ela canta, toca violão, dança e transforma sua própria voz e corpo em música. E tudo ao mesmo tempo!

Com mais de 14 CDs lançados pelo mundo, “Rhythms” (1996) recebeu prêmio de melhor disco do ano pela revista Guitar Player (US); “Wonderland” (2006) foi considerado pela BBC de Londres um dos 100 melhores álbuns do ano e entrou no 27º destaque do ranking da Amazon.com. Foi eleita uma das melhores violonistas do planeta pela revista Acoustic Guitar (US).

Ela trabalhou com artistas como Bobby McFerrin, Yo-Yo-Ma, Naná Vasconcelos e Toquinho entre outros. Já se apresentou em alguns dos mais prestigiados Festivais Internacionais, como Montreal Jazz (CA), e teatros como L’Opera de Paris (FR) e Metropolitan Museum (NY). Teve sua música “Waves” na trilha musical do filme estrelado por Michael & Kirk Douglas “It runs in the Family”. Em 2012, “Amor e Outras Manias Crônicas” rendeu a ela o prêmio de melhor compositora do ano pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA). Foi listada pela revista Rolling Stones no ranking dos 70 mestres, violonistas e guitarristas brasileiros de toda a história, sendo uma das três únicas artistas femininas, assim como a única de sua geração.

Em 2014, foi convidada para ser uma das curadoras da Guitar Marathon em New York e sua noite rendeu-lhe destaque no NYTimes. Lançou seu 1º CD infantil “Cantos de Casa” e com ele recebeu o “Troféu Cata-Vento” (Fundação Padre Anchieta). Sua canção “Pega no Coco” ficou em primeiro lugar no “USA International Songwriting Competition”. Em 2017, Badi Assad foi a inspiração do filme “BADI”, do cineasta Edu Felistoque, ganhando o prêmio de “Melhor Documentário” no prestigiado “LA Brazilian Film Festival”, em Los Angeles. Em maio de 2018, lançou seu primeiro livro “Volta ao mundo em 80 artistas”. Em novembro, ao lado do consagrado guitarrista Roy Rogers e do virtuoso Carlos Reyes, lançou o projeto “Stringshot”.

Em 2019, participou, como artista convidada, da segunda edição do festival Ethno Brazil, onde conversou com os jovens participantes sobre carreira profissional e suas experiências artísticas e musicais. Em outubro de 2020, Badi lançou seu 20º CD “Around the World”, pela gravadora norte-americana Ropeadope.

 

LAILA GARIN

Atriz e cantora franco-brasileira, nascida em Salvador (Bahia) e radicada no Rio de Janeiro, Laila Garin ficou conhecida por ter participado das séries “3%” da Netflix (2018-2020), “Sob Pressão” (2017) e “Rock Story” (2016-2017). E acaba de estrear, em 2021, na série “Dom”, produzida pela Amazon Prime Video e Conspiração filmes. A atriz também tem estreia prevista no filme “Deserto Particular”, de Aly Muritiba e no filme musical “Meu álbum de Amores”, de Rafael Gomes, com músicas de Odair Jose e Arnaldo Antunes.

No Brasil, ficou conhecida do grande público e da crítica pelo musical sobre a cantora Elis Regina. Por esse trabalho e pela atuação em outro musical, adaptado do clássico de Chico Buarque, “Gota D’agua a Seco”, a atriz levou os mais importantes prêmios de atuação, fazendo turnês pelos mais importantes teatros do país.

Na TV Globo, atuou em “Sob Pressão”, de Jorge Furtado, interpretou a cantora Clara Nunes na série “Chacrinha, o velho Guerreiro”, e Edith Piaf na série “Hebe”. Participou ainda das novelas “Malhação”, “Rock Story” e “Babilônia”, “A Grande Família”, “Louco Por Elas”, “Força Tarefa”. Como cantora, participou dos programas “Criança Esperança” e “Som Brasil” da TV Globo, e ainda como intérprete da trilha da série “Amorteamo”.

No cinema, atuou em “Divaldo, o mensageiro da paz”, de Clovis Mello, “Macabro”, direção de Marcos Prado, “Chacrinha, o velho Guerreiro”, de Andrucha Waddington. Pela atuação no curta-metragem “Um outro ensaio (2010)”, de Natara Ney, levou os prêmios de melhor atriz nos festivais de cinema de Blumenau e Triunfo. Como cantora, participou do documentário sobre Chico Buarque, “Chico – um artista brasileiro”, e do documentário sobre Ferreira Gullar, “A vida existe porque a vida não basta”.

Seu álbum “Laila Garin e a Roda”, produzido por Nelson Motta, está nas plataformas digitais. Atualmente, protagoniza o musical “A Hora da estrela ou o Canto de Macabea”, com texto de Clarice Lispector adaptado e músicas originais de Chico Cesar, faz temporadas on-line.

 

NEY PIACENTINI

Pós-doutorando no Instituto de Artes da UNESP, com o projeto “A história da atuação no Brasil”. Atual professor temporário na Escola de Comunicação e Artes (ECA-USP) na disciplina Poéticas da Atuação II e atuou como orientador na pós-graduação de Direção e Atuação no Célia Helena Centro de Artes e Educação. Foi professor substituto no Instituto de Artes da UNESP nas disciplinas Laboratório de Atuação e de Processos da Performance V e VI, e trabalhou como professor de Direção de Atores na pós-graduação em Direção Teatral na Faculdade Paulista de Artes. Tem doutorado e mestrado em Pedagogia Teatral pela ECA/USP.

Publicou os livros “O ator dialético: vinte anos de aprendizado na Companhia do Latão” (fruto do doutorado), “Eugênio Kusnet: do ator ao professor” (fruto do seu mestrado) e “Stanislavski revivido” (Org. com Paulo Fávari). Ator com 40 anos de ofício, é integrante da Companhia do Latão desde a sua fundação em 1997. Em 2016, foi indicado ao Prêmio de Melhor Ator pela Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) por seu solo “Espelhos”. Em 2018, foi indicado ao Prêmio Aplauso Brasil pelo seu livro “O ator dialético” – Categoria Destaque; e ao Prêmio Botequim Cultural – RJ como Melhor Ator Coadjuvante por “Lugar nenhum”, da Companhia do Latão. É professor, pesquisador teatral e ator, autor de livros sobre atuação e, em 2014, recebeu o Prêmio Cooperativa Paulista de Teatro pela sua contribuição ao Teatro Paulista.

Sua Microempresa Individual – MEI Ney Luiz Piacentini, já participou do Festival Internacional de Londrina – FILO 2020 como palestrante-ator e professor de oficina de teatro. Prestou serviços como ator para a João Rodolfo de souza Pissarra ME e Periplo Produções Culturais Ltda. Atuou como professor da pós-graduação do Centro de Artes e Educação Célia Helena, como ator para a Corpo Rastreado, entre outros.

 

SERVIÇO
1º Encontro de Orientação Profissional do Conservatório de Tatuí
– Dia 31 de agosto, às 19h
Com Badi Assad e Ney Piacentini
– Dia 09 de setembro, às 19h
Com André Micheletti e Laila Garin
Inscrições para alunos(as) e ex-alunos(as): https://forms.office.com/Pages/ResponsePage.aspx?id=kHr4xM2Fc0i-yVtwQT9O02ExmDQFSpVHr-yyHpxff2NUQk9FMVRKTEhES1Y1VEM0VFNTT04wMUpNWS4u
Acompanhe ao vivo: youtube.com/conservatoriodetatuivideo

 

 

Patrocinadores Sustenidos: CTG Brasil; Visa; SulAmérica, Sky, Microsoft e Glovis.

Sobre o Conservatório de Tatuí: Fundado em 11 de agosto de 1954, o Conservatório Dramático e Musical “Dr. Carlos de Campos” – Conservatório de Tatuí (SP), como é conhecido internacionalmente – é uma das mais respeitadas escolas de música da América Latina. Oferece mais de 100 cursos gratuitos nas áreas de Música Erudita (instrumentos, canto e regência), Música Popular Brasileira, Artes Cênicas e Luteria. Atende aproximadamente 2.000 alunos anualmente, vindos de todas as regiões do Brasil e, também, de outros países, como Argentina, Chile, Coreia do Sul, Equador, Estados Unidos, Japão, México, Peru, Portugal, Síria, Uruguai e Venezuela. É considerado uma das mais bem-sucedidas ações culturais do Estado, oferece ensino de excelência, com a missão de formar instrumentistas, cantores, atores, regentes, educadores e luthiers de alto nível. Sua importância no cenário musical é tão acentuada que garantiu à cidade de Tatuí o título de Capital da Música, aprovado por lei em janeiro de 2007. A instituição é mantida pelo Governo do Estado de São Paulo e por empresas patrocinadoras, por meio de leis de incentivo fiscal, sob a gestão da Sustenidos Organização Social de Cultura.

Sobre a Sustenidos: Eleita a Melhor ONG de Cultura de 2018, a Sustenidos é a organização responsável pelos programas Projeto Guri, Som na Estrada, Musicou e MOVE (Musicians and Organizers Volunteer Exchange); pelos festivais Ethno Brazil e Imagine Brazil; além do Conservatório Dramático e Musical de Tatuí e do Theatro Municipal de São Paulo. No Projeto Guri desde 2004, é responsável pela gestão do programa de ensino musical no litoral e no interior do Estado de São Paulo, incluindo os polos da Fundação CASA. Além do Governo de São Paulo, a Sustenidos conta com o apoio de prefeituras, organizações sociais, empresas e pessoas físicas. Instituições interessadas em investir na Sustenidos, contribuindo para o desenvolvimento integral de crianças e adolescentes, têm suporte fiscal da Lei Federal de Incentivo à Cultura e do Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (FUMCAD). Pessoas físicas também podem ajudar. Saiba como contribuir: www.sustenidos.org.br/pessoa-fisica/